"Lilandra: E.D.A.I" (Encerrado)

Ir em baixo

"Lilandra: E.D.A.I" (Encerrado)

Mensagem por Sieg Hart em Seg 16 Dez 2013, 11:02

[ Categoria: Monólogo. Não registra pontos no ranking. ]

Existem centenas de jovens promissores a se juntarem as forças imperiais e o treinamento para eles começa desde cedo. A rotina é dura, constituindo de atividades que trabalham tanto o mental e o psicologico. Isso não impede entretanto os jovens de agir ainda como garotos de sua idade. Mais um ano se aproximava do fim, e como haviam sobrevivido a aquele período, os aspirantes as fileiras organizavam uma pequena celebração. Entretanto, existia uma atividade que parecia mais complexa que combates e estratégias: Garotas.

- Sejamos francos cara, quem tem sorte é o Wall. Viu como ele anda para lá e para ca junto daquela capelã de Warjillis? Nossa! O que eu não daria para...

- Sem detalhes Mark, sem detalhes. A questão é que não temos muitas opções de mulheres por aqui, e a situação não esta melhorando!

- Eu sei, e infelizmente acho melhor descartar a filha do comandante, sabe como é. Eu pretendo ter uma vida longa.

- Realmente uma pena... Bom, como eu consegui chamar a ultima atendente da taverna solteira para a nossa celebração de final de ano, você meu amigo, é o ultimo solteiro!


A conversa estava animada e logo a dupla de soldados começava a rir de maneira descontraida. Jovens fazem isso, sendo soldados ou não. A bibliotecaria responsável entretanto não era tão compreensivel com relação as necessidades daqueles que estavam ali. Afinal não deveriam estar conversando naquele local. Ela fazia mais uma vez vista grossa para os jovens, enquanto pigarreava apontando ao sinal de silêncio. Eles começavam mais uma vez a começar, em volume reduzido.

- Cara...Que droga, eu preciso de um sinal.

- Falando em sinal, porque não uma daquelas seguidoras da igreja da sagrada luz? Eu sei que você...Provavelmente não vai conseguir nada melhor, mas é uma companhia.

- Não cara, TEM QUE HAVER uma garota disponível nessa capital. Eu devo estar deixando passar alguma coisa, alguém tem que estar sem um par eu so preciso.

- Mark! Imperial! Levanta!


Seguindo o comando do seu colega, ambos os soldados levantaram em continencia a presença de Sieg Hart, Cavaleiro Imperial. Sieg não teria realmente dado atenção se eles permanecessem conversando, andava apressado passando algum tipo de instrução a Lilandra que conseguia escrever em um pesado tomo enquanto o seguia a passos rapidos o sacerdote, adentrando junto com ele no escritório. Mark deu um largo sorriso.

- Mark...Que cara é essa?

- Eu tive um sinal meu amigo, eu tive um sinal.


x----------x------------x-----------x---------------x-------------x--------------x

Entrar na sala de Sieg Hart havia sido o mais fácil. Não era inacessível como Lei ou o Imperador: Sieg Hart estava sempre a disposição de qualquer um e era hora de tomar vantagem disso. Mark respirou profundamente antes de abrir a porta, arrumou o cabelo e colocou a mão na maçaneta. Um pensamento estranho veio em sua mente: Que deveria deixar de lado aquela idéia idiota e dar o fora. Talvez uma sacerdotiza da Ordem da Luz não fosse uma idéia tão ruim no final das contas.

Não entendeu de onde havia vindo aquele pensamento. Riu consigo mesmo e abriu a porta. O tão comentado escritório de Sieg Hart, ele mais parecia um anexo da biblioteca com tantos livros e arquivos. Mark não deu muita atenção aos detalhes da decoração, o foco de sua atenção ja lhe estava observando. Lilandra era, ou devia ser uma elfa aquatica. Ela era mais bonita que grande parte das guardas, alias ela realmente não era nada mal. Até mesmo os oculos pareciam dar um charme misterioso. Seu cabelo era extremamente bem cuidado, e seu "uniforme" que combinava um vestido leve com as cores imperiais era discreto e dava margem para muita imaginação, ela ficaria muito bem em um vestido de festa. Com certeza...

- Ola, eu preciso...Esclarecer uma situação.

Lilandra permaneceu olhando para o soldado. Mark estranhou como se sentia incapaz de dar mais um passo sem dizer aquilo. Reflexo do olhar duro da garota, nervosismo claro. Sorriu, mas ela voltou-se aos seus papéis que eram preenchidos em uma velocidade que ele achou não ser possível para qualquer ser vivente.

- O cavaleiro imperial Sieg Hart não esta presente na parte da manhã, posso marcar um horario se for necessário.

Garota dura. Mas Mark não ia desistir assim. Não mesmo. Aposta era aposta, e o dinheiro pouco importava. Aparecer com Lilandra na celebração final de ano ia tornar ele uma lenda. Ninguém lembraria de quem teve a nota mais alta nos testes de arquearia de Zrill no último semestre daqui a alguns anos, mas iam com certeza se lembrar do dia que um cadete apareceu na festa com a escriba pessoal de um cavaleiro imperial. Ele caminhou lentamente até a cadeira a frente da mesa e colocou ambas as mãos nela, falando de maneira calma.

- Na verdade. Eu não preciso falar como Sieg Hart, eu vim aqui para falar com você. Lilandra certo?

Em uma forma de economizar tempo, havia uma placa a frente da mesa da jovem. Não havia sobrenome, apenas a indicação "E.D.A.I. Lilandra" o significado também não era do interesse de Mark. A jovem parou sua atividade mais uma vez, indicando para que ele senta-se. Mark sorriu, sucesso. Sentava-se e falava de forma calma usando toda sua labia:

- Então Lilandra...Achei que poderíamos, nos conhecer melhor, saber mais um do outro.

Lilandra piscou lentamente por trás do óculos. Mark se sentia ainda mais motivado pela forma que ela o encarava diretamente, aquilo que era um desafio digno, seria uma excelente história para se contar.

- Soldados em treinamento Código F-175: Markus Augustus Kledenven. Aprovado nos testes do primeiro ano, destaques feitos pelos instrutores em planejamento estratégico e combate desarmado. Pais responsáveis pela administração de um estabelecimento que comercializa armas de haste, com qualidade destacada por inumeros membros do exercito. Não existe informações a seu respeito que eu desconheça cadete Markus.

Markus ficou levemente mais branco, enquanto Lilandra pegava novamente sua pena e voltaria a escrever. Ok, ela era realmente dedicada ao trabalho, Markus não iria se desanimar por aquela primeira tentativa sem sucesso, não esperava que fosse facil ou Lilandra não teria sido escolhida para seu cargo. Ele pigarreou e recomeçou, de um ponto diferente desta vez.

- Certo, você me conhece, mas eu gostaria de...Saber mais sobre você, então...Me fale de você Lilandra.

Uma nova interrupção. Lilandra deixou a pena no mesmo ponto e voltou-se para o soldado, falando com calma e com a mesma clareza de antes.

- É de conhecimento geral que o Cavaleiro Imperial Sieg Hart foi denominado como Representante em Atlan. Os regentes do império das águas aceitaram de bom grado, e ao mesmo tempo determinaram que eu devia estar ao seu completo auxilio. O Cavaleiro Imperial Sieg Hart acreditou que devido ao acumulo de suas funções e compromissos com o império, o uso de uma escriba pessoal era necessário. Minha ligação com os regentes de Atlan ao ver dele me fez a melhor escolha. Por não estar diretamente ligada aos Imperiais, minha ficha não se faz necessária. Toda e qualquer outra informação a respeito desse tópico deve ser fornecida apenas por Sieg Hart.

Markus mais uma vez foi capaz de dizer uma palavra, enquanto Lilandra voltava sua atenção agora a leitura de um novo documento. Ele respirou fundo. Ok Markus, ela é realmente jogo duro, hora de ser bem direto. Ele colocou a mão em uma atitude ousada obstruindo a leitura, falando que quase ao mesmo tempo.

- Ceeeeeeeeeeeeerto. Então direto ao ponto. Eu sei que não faz parte das suas funções e que aparentemente você não coloca nem os pés fora desta sala, mas eu gostaria de saber se você não gostaria de...Ir comigo a festa que os soldados vão fazer para comemorar o termino do período de avaliações. Seria possível?

Perfeito. Não havia uma brecha para se esquivar. Lilandra parecia ciente disso, uma vez que olhou para Mark por alguns segundos, como se avaliando a questão. É isso ai Mark! Atitude, mulheres adoram caras que se arriscam, afinal de contas o máximo que pode acontecer é...

- Seria possível, mas recusarei da mesma forma.

Ah qual é?? O quão dificil essa garota pode ser?? Vamos Lá Mark, meio caminho andado.

- Mas...Qual o problema?

- Nenhum, estou apenas recusando seu convite.

- Mas se você me indicar a razão eu tenho certeza que...

- Existem afazeres pendentes, se não tiver mais duvidas...


Mark se apoiou com ambas as mãos batendo na mesa. A tinta virou e arruinou completamente um dos relatórios diários. Lilandra entretanto calmamente ergueu o olhar, enquanto Mark falava.

- Lilandra...Qual é, somos jovens, precisamos ser irresponsáveis as vezes. Vamos la, sei que podemos chegar a um acordo. Que tal isso, eu posso fazer qualquer coisa. Devo desafiar Sieg Hart para um duelo para provar minha determinação? Vencer todos os soldados em um torneio de justas? Ou eu ja sei...Me amarrar no mastro do mais conhecido barco de Atlan, de cabeça para baixo!

Lilandra retirou os óculos e suspirou profundamente, na atitude mais humana que Mark havia visto. Ela pareceu refletir sobre as palavras olhando para a tinta fresca que escorria pela mesa. Após alguns instantes, voltou-se para ele.

- Amarrado no mastro do barco mais conhecido de Atlan?

- De cabeça para baixo.

- Cadete Markus...Poderia fechar os olhos por um instante?


Markus estranhou, mas sorriu para ela e tirou as mãos da mesa sentando-se devagar. Ora ora, a garota sabia jogar. Queria surpreende-lo? Ja havia ido longe demais para desistir naquela hora. Pagou para ver e fechou os olhos. Respirou fundo tentando manter a calma. Ouviu um som, Lilandra se levantando profundamente. Sentiu aquele cheiro doce que lembrava água doce, certamente o perfume, não o cabelo dela. Aguardava apenas o que ela diria, mas no lugar disso ouviu...Um sino? Não conseguia entender, e tudo apenas piorava quando sentia o vento em seu rosto. A sala de Lilandra sequer tinha janelas, havia algo errado. Deixando sua curiosidade vencer, abriu os olhos para entender o que estava acontecendo.

A frente dele, so havia o mar ocupando a posição do céu. Era justificavel tendo em vista que estava amarrado de cabeça para baixo no mastro do principal navio da frota naval do reino de Atlan.

x----------x------------x-----------x---------------x-------------x--------------

Assim que a porta se abriu, mesmo sem direcionar o olhar para ele, a elfa de cabelos azuis tinha certeza de quem havia retornado ao escritório.

- Bem vindo de volta Imperial Sieg Hart.

O sacerdote do tempo aprendeu a lidar com diversas situações desde que chegara a aquela linha temporal. Lilandra entretanto frequentemente era um desafio a ele. Parecia inutil dizer para ela se referir a ele apenas pelo nome, de forma que ele fez apenas um meneio de cabeça enquanto pegou alguns documentos que estavam em uma pilha a direita da mesa da elfa. Deu uma rapida olhada até se deter a um em especial, com um olhar um tanto confuso.

- Uma desistência logo após os exames final terem sido concluidos? Não é exatamente comum.

Lilandra permaneceu escrevendo, Sieg pensou ter visto algo próximo ao sorriso no rosto de sua escriba pessoal, mas não conseguiu confirmar se havia realmente acontecido. Ele abriu o arquivo e leu, sentando-se diante dela. Lilandra depositou a pena no tinteiro em reação ao ato, um movimento sincronizado que parecia quase que robótico enquanto Sieg voltou a falar.

- "Motivos pessoais", ausência de assinatura, bens pessoais enviados para os parentes, alojamento disponível de imediato, espaço para justificativa em branco. Lilandra, isso é apenas uma coincidência ou você...

Sieg Hart olhou para Lilandra. A mesma havia colocado os oculos em descanso sobre a mesa e olhava na direção do imperial sem dizer uma só palavra. Sieg olhou nos olhos dela e entendeu. Pegou o arquivo e colocou sua assinatura, deixou na pilha oposta e mudou sua posição na cadeira. Poucos conseguiam deixar ele desconfortavel, mas sua escriba parecia ter esse talento.

- Imagino que não teremos problemas. Espero que tenha em mente que existe uma razão para que esteja aqui, e é extremamente necessário que essa posição se mantenha. Atitudes geram consequências, além de riscos. O que quero dizer é... Tenha cuidado.

- Compreendido Cavaleiro Imperial Sieg Hart. Suas atividades em Atlan no periodo da tarde vão ser atendidas normalmente?

- Sim Lilandra. Isto é tudo, obrigado.


Sieg Hart se levantou, abrindo a porta ao lado oposto e voltando aos seus afazeres. Lilandra recolocaria o óculos de leitura e voltaria a preencher os relatórios da mesma maneira que fazia dia após dia. Nada realmente havia mudado, os documentos, o vidro de tinta preenchido e a mesa em perfeita ordem. Apenas mais um dia no escritório de Sieg Hart, Cavaleiro Imperial representante de Atlan.
avatar
Sieg Hart
Prisioneiro(a)

Mensagens : 121
Data de inscrição : 14/09/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum