Os novos representantes de Atlan[Em Andamento]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Os novos representantes de Atlan[Em Andamento]

Mensagem por Joshua Stranford em Dom 26 Jan 2014, 15:08

Objetivo: Ganhar aprovação da Alianca Imperial para encaminhar Melantha e Charise para serem as novas representantes de Atlan
Objetivo realizado? SIM - Próximo jogo será em Atlan


Narrador
Era de manhã bem cedo. Charise estaria chegando em Terânia, e o filtro de guardas sempre dava um controle melhor em quem entrava na cidade. O comboio que levava Charise finalmente entregava o pergaminho que Ral’Ylin havia lhe dado, supostamente dando a permissão. E assim que um dos guardas viam a tal papelada, gritavam:
- TED! Chegou o comboio de Uris! Avisa Alathea!
O outro guarda correu imediatamente para seu escritório. O comboio em si era permitido entrar, mas eram obrigados a ficarem parados de lado onde havia um estábulo om um ótimo odor fecal equino. Não demorou muito para uma elfa comparecer. Era uma elfa do sol
Spoiler:
, uma raça bem comum em Uris. Seu olhar pacifico caiu sobre Charise e apenas acenou para o comboio seguir sem a menina.
- Vejo que chegou bem. Infelizmente não temos muito tempo hoje... Porém mais tarde poderá andar pela cidade...

[Melantha]
Da mesma forma, bem cedo, Melantha era acordada por Gabrielle, sua serviçal. Ela trazia para a ninfa um café da manhã bem farto com pães, frutas, geléia, suco e leite. Como sempre, deixava na mesa uma toalha e uma bacia para ela lavar o rosto.
- Senhorita Melantha, tens meia hora para se arrumar, senhor Joshua está lhe convocando hoje.
Ela sentou-se próxima da ninfa e mediu a temperatura, o pulso, checou em volta dos olhos e a língua da ninfa. A saúde dela tinha melhorado bastante desde os dias que a Horda atacou Terânia.

[Malak – opcional ela pode aceitar a carta ou não]
Malak recebia outra carta do General.
“Rainha de Firelands,
Como discutimos na reunião anterior, Atlan necessitava de representante novo. E por algum tempo ponderei quem poderia ser... e escolhi duas pessoas para ficarem no lugar do traidor. As duas passarão por período probatório. Este convite é opcional, mas como discutimos antes, seria bem interessante mantermos a Aliança Imperial bem reforçada em sua base nova.” – General Joshua Stranford

[Diana e Hatsuko]
Era um dia átipico para as duas. Joshua tinha feito as duas acordarem às 4 da manhã, e quem demorasse a sair da cama ganhava um banho bem gelado de água. Fez as duas treinarem para condicionarem o físico. Começaram o dia com o aquecimento de 10 voltas pelo palácio, alternando com a cada 50 passos, 100 flexões. E quem começasse a peder o passo, ganhava um outro banho de água gelada como se não bastasse o frio da manhã. Ao fim do treino, apitou.
- Vamos, vamos, temos reunião hoje, se aprontem!

Charise Veillard
Pode-se dizer que a dragoa só não deu um grito para os guardas andarem mais rápido por respeito a um território que não era "seu", mas a verdade é que sim, ela estava muito puta com a enrolação... Ainda mais quando se tinha que ficar parado sentindo cheiro de merda sem poder fazer nada! Vez ou outra resmungava algo sobre o inferno de estar ali, quando finalmente notou a elfa e quase saltou em cima dela - e que se danem os bons modos!
- Santo deus, que demora! Eu não aguentava mais ficar aqui... Desculpe os maus modos, mas podemos sair daqui? É sério, esse cheiro é insuportável.

Melantha
A ruiva despertava devagar. Nem resistiu as medições de Gabrielle. Estava tentando se lembrar de tudo que acontecera na noite passada, tentando saber se era tudo real. Nem ela saberia dizer o que seria melhor.
Começou a se servir com o olhar na comida.
-Sabes qual o motivo de estarem me chamando?
Auardava a resposta comendo um pão com geléia.

Diana Valkyr Slade, Imperadora-Menina Terâniana
*Aquilo era brincadeira perto do que havia passado ed treinamento em Valkyrion. Rhea e suas "tias" utilizavam faixas de metal amarradas as asas, pernas, cintura e braços, aumentando o peso dela em até 100%. Não tinha muitas dificuldades, mesmo, mas demonstrava afinco no que tinha de fazer. Suava bem pouco, e fazia os exercícios vendada, como sempre, e vestindo uma armadura de cota de malha, presente do pai adotivo. Durante as voltas pelo palácio, sempre que notava estar distante da visão de todos (e sabia disso com seus poderes.) Pegava Hatsuko pelos braços e as duas voavam até o ponto onde deveriam ressurgir. Assim que tudo terminou, sorriu para Hatsuko.*
-Desse jeito logo vamos estar exaustas!
*Fez uma cara engraçada, segurando o riso.*
-Vamos para o meu quarto! Pode usar minhas novas roupas!i
*Correu para o quarto, puxando Hatsuko*

Malak Nawar
*Mais uma carta. Embolou-a e jogou no lixo, cansada de tantos deslocamentos para reuniões que não terminavam com nada concreto para nenhum dos lados. Outra vez foi preciso usar um bom vestido, trançar os cabelos e deixar Firelands sob comando de Seeje. Estaria no Império no horário combinado, com uma expressão mais neutra, mantendo o silêncio.*

Hatsuko Keylosh
*Hatsuko não reclamou tanto de acordar às 4horas. Estava mais acostumada a uma rotina de treinamento e estava em forma o suficiente para suportar o treinamento. Ao terminarem, já com o sol  nascendo iriam se trocar. Mas não antes de Tsu falar com Joshua.*
- A Imperadora não devia fazer essas coisas. É imperadora. Oras.
- Não, Imperadora. Não posso vestir suas roupas… - falou com um sorriso breve enquanto caminhava. Utilizaria um dos uniformes que lhe fossem dados e a espada. Nada além...

General Joshua Stranford
Joshua olhou para Hatsuko e sorriu de lado.
- Quero ver a capacidade de cada um. Cada dia será mais puxado.


Narrador
Gabrielle negou o motivo da convocação, Alathea apressou os passos, Diana e Hatsuko tiveram o preparamento necessário dos serviçais e Malak e Seeje fora levados para o Império novamente.
O local que Melantha e Charise eram conduzidas se dava a um teleportador que em segundos levavam cada uma para uma ilha voadora. Alathea e Gabrielle deram as mesmas explicações... (http://novaterania.forumeiros.com/t42-terania-capital-nova-terania-capital-imperial#2158 tem várias imagens aqui). O nível era diferente da cidade Térrea.
E cada um de sua maneira foi conduzido para o palácio e depois foram todos conduzidos para a sala de reunião. Um local de mesa redonda e um globo de cristal no meio, acessório novo da sala para aqueles que tinham usado da última vez.
Todas as cadeiras eram identicas, com a exceção de uma que era um trono. Joshua se sentava em seu lado esquerdo do trono, os nomes de Melantha e Charise ordenados logo após seu lugar.

Charise Veillard
Podia estar irritada, mas menos conseguiu se manter quieta quando seguiu a elfa rumo ao que só depois descobriria ser um teleportador. Apesar de ter ficado um pouco tensa por ter de encarar algo importante e ainda por cima sem conhecer praticamente ninguém além de Joshua - que, oh ironia, era alguém super importante -, conseguiu se conter um pouco e cumprimentou a todos os presentes com um leve aceno de cabeça, dando a impressão (obviamente falsa) de que era um a pessoa educada. Pff.
Sentou-se onde seu nome estava marcado e fitou o teto com o semblante entediado, esperando o início da reunião sem dizer uma só palavra.

Melantha
Melantha ficou levemente irritada por ter sido deixada na curiosidade. Acabou fazendo o caminho todo enrolando seu cabelo em seu dedo. Não tinha se preocupado em manter uma aparencia elegante.
Viu seu nome em um lugar e se sentou em silencio, olhando para todos os lados enquanto nada era falado. [ah, moleque da vizinhança veio encher o saco =-=~]

Diana Valkyr Slade, Imperadora-Menina Terâniana
*Virou-se para ela, parecendo observa-la, e sorriu.*
- Meu pai sempre me falou que ser um "Imperador" não era estar acima de ninguém. Ser um "Imperador" era ser um símbolo do que é certo. Um bastão para a justiça, um farol para a esperança no meu do nevoeiro de desespero que paira sobre o mundo. Sim, eu sou uma Imperadora, mas não, isso não me coloca acima de ninguém para ser poupada da rotina... e...
*Dentro do quarto havia uma enorme banheira com água corrente. Enquanto corria ela se livrou da armadura e das roupas (ainda do lado de fora mesmo, quase no meio do palácio...), bateu as belas asas brancas e se jogou na água, feliz.*
- ... e eu não conseguiria ficar sem treinamento. não gosto de ficar sem fazer coisa alguma, e adoro treinar! Um dia vou levar você até a cidade de minha mãe, Valkyrion. Lá estão as mulheres mais fortes que você jamais viu! Minhas tias e minha avó sáo incriveis!
*Estava empolgada, mas rapidamente perdeu um pouco do brilho ao se lembrar das coisas.*
- E se minha mãe retornar... eu te apresento a ela... vai ver como ela é forte... Ela foi imperadora por um tempo, sabia? Quando papai foi pra nosso mundo natal, Ysgard.
*O banho não demoraria muito. Ela sairia dali gotejando água para todo o lado, abrindo as asas e as batendo para seca-las e secar ao próprio corpo. Iria direto para o armário... CENTENAS de vestidos estavam guardados ali...*
- Uau... não sei para que tantas roupas... mamãe sempre disse que valquírias combatem nuas porque sua beleza deve ser compartilhada com o mundo, e que não há vergonha em mostra-la. Papai não gostava disso e dizia que temos que usar roupas "em respeito aos demais."
*Imitou a voz abafada pela máscara, caracteristica de Renon, colocando a mão na frente do nariz e boca ao falar. Estava sem a venda agora, e olhou para Hatsuko.*
- Pois eu digo que hoje você pode usar a roupa que quiser! Não vamos para a guerra, é uma reunião... A Sra Malak vai estar lá também! Ela é mãe do meu irmão.
*Sem saber o que vestir... colocou um longo vestido azul, vendou os olhos denovo e aguardou Hatsuko antes de ir para o local. Lá, entraria no lá voando devagar, indo até o trono e pousando com graça.* (http://imageshack.com/a/img600/9366/ggyu.jpg)
- Boa tarde a todos vocês...
*Cumprimentou a todos, com um sorriso no rosto. (A imagem não mostra, mas ela tem os olhos vendados o tempo todo.) Virou o rosto na direção de cada um dos que estavam ali presentes.*
- Sr. General, Sra Regente Malak...
*Mudou de expressão quando olhou para o fundo do salão imperial e notou o Lobo Cinzento, Alexander Volg Zangiev, parado, protegendo a entrada. Ele tinha dois grandes Worgs Brancos (lobos inteligentes gigantes) deitados a seus pés. Diana chamaria Hatsuko para ficar ao seu lado.*
- Tsu, fique aqui comigo... por favor.

Malak Nawar
*Malak sentaria-se no local definido para ela, Seeje de pé ao seu lado.*

Hatsuko Keylosh
*Diana parecia mais feliz ali, pensou Tsu, que quando morou em sua casa. Talvez tenha sido melhor, embora todas aquelas consequências tenham ocorrido. Acompanhou - ou tentou - todo seu raciocínio, suas palavras, seu jeito quase frenético. Banhou-se mais rapidamente e vestiu o que devia vestir um "guarda da imperadora": uniforme, a espada ao lado… Hatsuko seguiu Diana por todo o caminho, um passo atrás e ao lado. Entrou no salão. Não conhecia a maioria das pessoas presentes e antes mesmo que Diana a chamasse, Hatsuko já estava de pé ao seu lado. Para Alexander, não conseguiu evitar um quase-rosnado, apenas mostrando os dentes muito brevemente.*

General Joshua Stranford
A presença de Alexander não era muito entusiasmante para o general, mas antes mesmo que o general respondesse a qualquer coisa à ofensa de Hatsuko, deixou bem claro.
- Comportem-se... estão diante da Imperadora. - O que poderia ser entendido a todos ali como se fosse direcionado a cada um.
- Eu agradeço a todos por conseguirem comparecer hoje. Gostaria de ter tido bastante tempo para conversar com cada um, mas a situação exige um pouco de urgência. Hoje eu apresento à Aliança Imperial, as duas candidatas a ficarem no lugar de Sieg Hart para cuidar dos assuntos de Atlan. Nenhuma das duas é imperial... Melantha ajudou em uma boa parte a conter o ataque da Peste e depois contribuiu mesmo que enferma para defender o Império do ataque da Horda; e reforço que ela seria uma excelente diplomata. Charise é nova ainda, e um tanto inexperiente, mas é uma das raras raças encontradas no mar e por isso se tornaria excelente em cuidar dos assuntos de Atlan até aprender a controlar seu temperamento; sua afinidade marítima com os regentes de Atlan seria uma grande vantagem para nós.

Charise Veillard
O tédio a estava corroendo por dentro, mas sua expressão logo mudou quando finalmente a Imperadora deu o ar da graça. Claro que ao receber a notícia de que tinha sido chamada para aquele lugar também ficara sabendo um pouco sobre a menina em questão, mas ver com os próprios olhos era completamente diferente. Até porque quando pensava em "garota jovem" imaginava uma adolescente desleixada, e não alguém com tanta classe... Mas tudo bem, deixemos seu pingo de inveja pra depois e foquemos no que realmente importa.
- ... Espera aí. Somos duas para ocupar UMA vaga. Vamos ter que disputar ou algo assim? - Olhou pra Joshua incrédula, mandando a educação para as favas - E não fale de mim desse jeito, vão acabar pensando que sou uma inútil! - Terminou com os braços cruzados e inflando as bochechas exatamente como uma criança birrenta.

Melantha
A barda estava entrando em devaneio pensando nos próprios planos que faria assim que tal reunião terminasse. Só olhou para quem falava depois de ouvir seu nome, prestando atenção. Ela, uma diplomata? Se embrava das vezes que conseguia irritar seus inimigos só pelo que ela falava, inclusive chegando a perder a voz na ultima vez que não soube ficar quieta.
Depois quando ouvia sobre temperamento se lembrou de sua ex-colega que também não tinha sido muito feliz ao estar ao seu lado. Mas nenhum dos descontroles da ninfa tinham sido vistos por quem estava ali. Nas uas olhadas pelo salão reencontrou alguém que já tinha conhecido durante a peste, mas não pausou o olhar em muito tempo na mesma.
Então o olhar amarelado parou em Charise que começava a falar e segurou o risinho. Talvez o sr. Azul não estava muito bem da cabeça ao ter imaginado as duas ocupando tais cargos. Mas a pergunta que foi feita pela criatura rara era interessante. Ou o cara era tão competente que precisa ter duas para substitui-lo, ou a demanda de serviço aumentou, mas não acreditava na disputa já que o mesmo falara na localização de trabalho da desconhecida.
Se apoiou na mesa com os cotovelos, a cabeça na mão, esperando Joshua prosseguir com sua explicação.

Diana Valkyr Slade, Imperadora-Menina Terâniana
*Seu rosto vendado ficou com uma expressão engraçada...*
- Acho que a a Sra Charisse tem sua razão... Duas pessoas para uma posição? Porque não fazemos assim...
*Se levantou, batendo as asas de leve e indo para o meio do salão.*
- Sei que em Atlan há um conselho de sábios. Então a Sra Melantha ficaria com esses sábios, e seria nossa ligação politica com Atlan.
*Caminhou até Melantha, tocando o ombro direito dela. Sorriu ao virar a face vendada em sua direção.*
- A "voz" de Atlan, neste caso!
*Bateu as asas novamente, passando por cima da mesa, num pequeno vôo, e caindo ao lado de Charise.*
- E a sra Charise... eu acho que ela não gosta de muitas palavras, como eu, prefere algo mais agitado!
*Tocou no ombro esquerdo dela, como havia feito com Melantha.*
- Eu acho que alguém com essa mentalidade poderia ficar muito bem com a campeã de Atlan, Dorma, e ser sua auxiliar no comando militar do lugar, Sr. Joshua. O que você e a Sra Malak acham? Em Valkyrion a minha avó faz deste jeito. Uma valquiria para função militar, um outra raça para assuntos não militares. Sempre em duplas.
*Virou-se na direção de Joshua, sorrindo.*
- Uma pessoa controlando tudo é algo... perigoso...

Malak Nawar
*Malak estava inicialmente tranquila, apenas observando e ouvindo o que falavam ou faziam. Mas não segurou a risada diante do protesto da novata. Joshua havia encontrado alguém pior que ela?!*
- Perdão, Imperadora. - murmurou para Diana, ainda sorrindo mesmo que ela estivesse usando a venda.
*Já controlada, Malak ouviu e acompanhou os movimentos da menina, concordando ao fim.*
- Mas sim, Imperadora, sua ideia parece a mais adequada para a situação inusitada que nos foi apresentada, embora não partilhe de sua opinião sobre uma pessoa apenas no controle.

Hatsuko Keylosh
*Hatsuko aquietou-se, ouvindo e olhando tudo aquilo com absoluto tédio. Não tirava os olhos de Diana e seus arredores, ainda que estivesse no mesmo lugar..*

General Joshua Stranford
Joshua se levantou calmamente enquanto todos falavam e deu um sopapo de leve na cabeça da Charise.
- De fato me parece uma ótima ideia, mas mesmo o conselho dos sábios terão dificuldade com a notícia recente do traidor. Os regentes de Atlan são... criaturas peculiares... Enfim, Melantha, neste caminho mais ativo, consiga algo para parar o príncipe que te persegue tanto? Mudar um pouco os ares as vezes seria bom para sua saúde. - Sorriu de leve. - Charise, esta é a sua chance de mostrar o que é e o que pode ser. És nova e pode aprender bastante pelo caminho... mas acima de tudo, gostaria de saber ... –- Andava até a cadeira das duas e apoiava a mão em cada - a decisão final sobre o cargo que estão sendo oferecidos.

Charise Veillard
- Argh, não faça isso!
Soltou logo depois do sopapo e levou ambas as mãos à cabeça, ainda com a expressão emburrada anterior que significaria algo como "eu deveria te dar um soco!", mas logo se recuperou com algum esforço e se ajeitou na cadeira, pigarreando numa tentativa de se comportar...
... Que não deu muito certo. Quer dizer, ela nunca foi o exemplo de educação e mesmo tentando ser civilizada por causa dos outros presentes, as pessoas ao redor pareciam querer testá-la. Primeiro Joshua, agora a Imperadora com aquela proposta...
- Guarda? Assuntos militares? Quer dizer ação? - Fitou a mais nova com os olhos brilhando - ISSO!! Eu estava esperando por isso, HA! - Ergueu os dois punhos para o alto e mal esperou a pergunta do comandante, batendo uma mão na outra animadamente.
- Claro que aceito! E aí, o que fazer agora? - Deu um sorriso de canto, não conseguindo esconder a empolgação de fazer algo animado pela primeira vez em tanto tempo.

Melantha
Ao ouvir a palavra príncipe era como se Melantha tivesse levado um choque que percorria a espinha. Então veio a mão no ombro que esperava uma resposta.
-Até posso servir de diplomata para algumas ocasiões. Mas não espere que irei ficar apenas cuidando de assuntos de reinos ou que vá me aposentar nessa função.
Ao contrario daquela que estava ao seu lado, a ninfa não demonstrou empolgação. Talvez a unica parte divertida de ser diplomata seria as festas com música e comida que teria que torcer para não estar envenenada.

Diana Valkyr Slade, Imperadora-Menina Terâniana
*Não segurou o riso com a reação de Malak, deixou uma gostosa risada sair quando notou a reação de Charise. Tentou tapar a boca com as mãos para se segurar, e voou denovo para o trono, sentando-se ali, de pernas cruzadas e pés sobre o assento.*
- É por isso que escolhi vocês dois para me ajudar. Para discordar de mim e dizer quando eu estiver errada, Sra Malak!
*Sorriu, virou-se na direção de Hatsuko e conchichou.*
- Eu vou mandar que o lobo e o sr. Punho de Trovão mudem de lugar. O Sr. Punho de Trovão é uma pessoa legal, mesmo com aquela armadura enorme e pesada e nada pratica. Também não quer esse lobo dentro de minha casa... mas bem que eu queria um Worg daqueles... são bonitos... tenho uma tia em Valkyrion que tem algumas matilhas deles... será que conseguimos um de para nós? Eles são tão bonitos, e selvagens...
*Voltou a observar o salão, virando o rosto para Charise.*
- Charise, se depende da minha vontade, eu autorizo o general a leva-la até Atlan agora, e te apresentar a Dormna! Ela é uma princesa dos elfos do abismo, uma raça de elfos de Atlan que vive nas profundezas muuuuuuuuuitoooooooooo profundas!
*Embora tivesse atitudes maduras, não resistia em deixar escapar seu lado infantil, tirado por eventos tão abruptos, vez por outra. Escutou Melantha falar, e notou a sua voz um tanto chateada...*
- Ahn... perdão, Sra Melantha... achei que gostava da função... o Sr. Joshua foi quem disse... achei que fosse sua vontade! Mas, se tem alguma ideia melhor, ora, pode falar! Eu não conheço vocês mais do que seus jeitos até agora demonstraram... Mas Charise, de certa forma, tem atitudes parecidas com as do meu povo, digo, do povo de minha mãe... por isso achei melhor isso...
*Coçou a cabeça de leve.*
Mas eu posso estar errada... Talvez vocÊ prefira menos umidade e mais calor? Sra Malak é a regente de Firelands! Se quiser conhecer o local... quem sabe não gosta de lá?

Malak Nawar
*Ainda permanecia em silêncio a maior parte do tempo, manifestando-se apenas quando diretamente contactada.*
- Mas não está errada em pensar assim, Diana. São apenas maneiras diferentes de comandar. Dividir o poder em Firelands é inimaginável. Mas é, repito, Firelands. Cada local em suas peculiaridades. E não saia daqui sem falar comigo em particular, tudo bem?

Hatsuko Keylosh
*Hatsuko esticou-se para ouvir, mantendo um sorriso ao ouvir que ela mandarei o sr lobo para outro lugar, bem como o punho de trovão que quase a colocou em Oblivion com o pai. Mas discordou quanto ao Worg, sussurrando de volta.*
- Não precisa de um Worg se tudo o que quer é um lobo… Worgs são… feios. E quase me morderam…
*Logo após a breve conversa Hatsuko voltou apenas a observar. Mas muitas e muitas vezes o pensamento dispersava e parecia esquecer que estava naquela sala, com os olhos perdidos em um ponto fixo qualquer.*

General Joshua Stranford
- Eu estou começando a arrepender de ter te chamado... - Disse para Charise. Eram poucas pessoas que faziam o general perder a postura mais séria. Fazia uma expressão bem resignada em seu rosto.
- Sempre pensei que ficaria apenas temporáriamente, Melantha... Enfim, eu vou falar um pouco sobre o que é Atlan e porque da minha escolha. A nação de Atlan é conhecida por seu enorme domínio sobre os mares. Possui o domínio das rotas comerciais... e sobre isso há uma exportaçao e importação de cultura de centenas de regiões e culturas. Suas rotas comerciais trazem inúmeras especiarias, remédios, práticas de medicinas diferentes, ervas e seu mercado central que agrega tudo isso. Inclusive, poderá achar o remédio para seu mentor, Melantha. Seus regentes principais são... - O globo de Cristal começou a se iluminar mostrando a primeira figura. - Strin, o líder dos Genasis da Água.

Spoiler:
- Passou para a imagem do representante seguinte. - Nee'Kaa, a representante destes elfos

Spoiler:
- E assim foi prosseguindo

- Ferlius, o príncipe dos Tritões
Spoiler:

-  Vrashka, a rainha das Nagas
Spoiler:

... e por fim, representando os Merfolks de Atlan, a sereia Cilvia.

Spoiler:
 
Afastou-se de leve das cadeiras onde o globo foi perdendo sua iluminação ao terminar a apresentação.


- Melantha... por ser uma cantora, estará num local de afinidade onde a música é composta por muitas vozes das sereias. A capital desta nação possui livros de vários dialetos diferentes e sei que lá poderá encontrar algumas coisas referentes ao ‘ele’. Conheço um certo elfo loiro que foi para lá recentemente também. É um local que certamente vai encontrar uma diversidade de cultura. - Deu uma volta na mesa e voltou-se a sentar.

- Quanto a um ou dois representantes... devemos pensar com isso conforme o tempo passar. Charise ainda está sob minha tutela, e ainda tem bastante a aprender. Com o passar do tempo existe uma chance dela aprender a se controlar mais e entender a sua posição.  Quanto a Melantha,  eu não a obrigarei a ficar presa em Atlan por muito tempo.

Charise Veillard
- Vá para o inferno, se acha que vou me comportar que nem aqueles guardas sérios só segurando as armas e fazendo cara de nada, está muito enganado!
Resmungou desviando o olhar, irritada por mais uma vez ter a atenção chamada pelo simples fato de ser ela mesma. Primeiro seus companheiros de clã, depois Leon, agora Joshua... Ah, não se podia mais agir normalmente sem ser discriminado?
- E por que ela pode ir e eu não? Eu vou realmente precisar de mais treino físico? Mental eu até entendo, assim como aula de boas maneiras, o Thys me disse isso, mas... - Olhou pra cima pensativa, como se tentasse organizar os pensamentos, mas vendo que não estava dando muito certo apenas suspirou e olhou de novo para o mais velho - Tudo bem... O que você pretende?

Melantha
A barda observava curiosa a atitude da mulher que andava pela sala. Ela era divertida e simpática e acabou deixado Melantha sem graça ao ver que ela insistia em que ela trabalhasse pelo império. O que a ruiva queria? Ah, andar pelo mundo espalhando musica junto de um cavalo mágico. Ao pensar nisso imediatamente baixou o olhar. O mundo vivia em guerra, sabia que seu sonho era utópico. E acreditava que tinha perdido para sempre seu alicórnio. Mas o que levaria ela a defender um império que nem era seu lar? Queria que aquela reunião acabasse logo para ir atrás da floresta ou bosque mais próximo.
Ouvir de Josgua que ele já esperava aquilo dela era como um calmante. Talvez a pancada da ultima batalha não tinha afetado tanto o senhor azul. E as palavras sobre o que ela poderia encontrar lá... era a motivação que Melantha precisava para aceitar. Levantou o olhar e sorriu. Ouviu da novata um nome conhecido e ah, melhor deixar para depois as perguntas. Respirou fundo.
-Finalmente terei a oportunidade de falar com as beldades do mar? Será divertido! Quando saímos? - se levantou com animo para começar a viagem naquele exato momento.

Malak Nawar
*Malak estava lá, tamborilando de tédio.*

General Joshua Stranford
- Já temos as aprovações da rainha de Firelands e da Imperadora. Então eu declaro que Charise e Melantha estarão encarregadas de representar Atlan. Malak Nawar, agradeço por comparecer nesta reunião. - Reverenciou ela e depois Diana e Hatsuko. - Quanto a vocês duas, estarão voltando para o treino em breve, preciso só arrumar alguns preparativos. Agradeço a presença.
Dispensou os demais, ficando só com Charise e Melantha.
- Quanto aos preparativos, se tudo der cedo, partirão hoje após o almoço. - Sorriu largamente. Realmente achava que tinha apontado as pessoas certas dessa vez. - Assim dará tempo de Melantha arrumar suas coisas e Charise de dar um passeio. Se ainda tiverem mais perguntas, só basta procurar por mim. - Recolheu os pergaminhos e esperou pelos últimos a saírem.
[FIM]


Última edição por Joshua Stranford em Dom 16 Mar 2014, 21:08, editado 5 vez(es)
avatar
Joshua Stranford
Admin
Admin

Mensagens : 345
Data de inscrição : 16/01/2011
Localização : Uris

Voltar ao Topo Ir em baixo

O Conselho de Atlan

Mensagem por Joshua Stranford em Dom 09 Fev 2014, 19:37

Objetivo: Levar Melantha para o Conselho de Atlan
Objetivo realizado? Ainda não, jogo em andamento
Personagens Participantes: Melantha, Caelle, Capitão Francis Drake, Gabrielle



Narrador
A reunião havia terminado. Joshua tinha conseguindo convencer Melantha e isso pareceu deixar já o general satisfeito. Passou por Alathea, responsável por ajudar em muitas papeladas e burocracias. PAreceu conversar com ela no caminho e o resultado disso seria visto por Melantha quando chegasse em sua comoda. Gabrielle estava arrumando uma mala para a barda.

Melantha, Representante de Atlan
A ruiva se aproximou sorrindo de Gabrielle.
-Nossa, nem precisava se incomodar arrumando minhas coisas. - Melantha nunca tinha quem fizesse isso por ela, achava até estranho - Você vem comigo ou ficará por aqui?

Narrador
- Alguém precisa ficar com Filniel. - Disse ela sorrindo. - Mas Caelle vai contigo.

Melantha, Representante de Atlan
- Então... ela conseguiu se recuperar? Fico feliz que não tenha sido nada mais grave... - a ninfa se sentia levemente culpada pelo que acontecera com a garota pois tinha sido por culpa dela. Mas o fato da garota ter matado sua amiga não fazia a culpa ser muito grande.

Narrador
- Ela esteve sempre bem, apenas aguardou todos esses dias do lado de fora dessa hospedaria. Alathea já providenciou uma residência fixa, embora eu ache que nào vá mais frequentar tanto aqui. - Fez um olhar calmo. - Em sua ausencia, farei a mudança e levarei Fil também. - Terminou a mochila da ninfa e entregou a ela. A mala por sua vez, foi até a porta, carregando.

Melantha, Representante de Atlan
- Mas... você me disse que ela tinha ficado de cama. - estranhou a ninfa.

Narrador
- Ela ficou no primeiro dia, mas ela possui um peso forte nas costas e não quis ficar de cama...

Melantha, Representante de Atlan
- Entendo... Bom, agradeço muito sua ajuda, Gabrielle. - colocou a mochila nas costas.

Narrador
- Ou prefere que eu dispense ela? - Ia na frente até a saída da hospedaria.

Melantha, Representante de Atlan
- ... Eu realmente não sei o que é melhor.- deu um suspiro - Não ando me dando bem acreditando que criaturas podem ser boas.

Narrador
- Mas nada é fácil... E mesmo assim é uma pessoa que consegue trazer o bom de alguns... não? - Assim que saiu, havia uma caravana de viagem com dois guardas como cocheiros.

Melantha, Representante de Atlan
- É... talvez seja válida mais uma tentativa.
Esperou que a bagagem fosse devidamente guardada para poder se despedir de Gabrielle.

Narrador
Gabrielle colocou a mala na caravana e bateu as mãos. - Pronto! Acho que estará segura e tem tudo o que precisa. Checa sua mochila depois... coloquei algumas bolachas que assei mais cedo. - Virou-se para ninfa sorrindo.

Melantha, Representante de Atlan
A ruiva a abraçou.
-Muito o~bri~ga~da! -  falou cantarolando -  Se possível te trarei uma lembrança da viagem.
depois do abraço subiu na caravana para poder dar início a viagem.

Narrador
Ao entrar, Melantha notava uma figura encapuzada que estava toda encolhida em seu canto. Via sua mala, seu lugar para ficar sentada, e uma mochila amais que reconhecia de novo... [vai fazer algo? se não acelero]

Melantha, Representante de Atlan
Mel ficava curiosa de saber porque a criatura estava encapuzada e encolhida. Fez questão de se aproximar para ver a reação. Se era pra viajar juntos não teria motivo de manter distância.

Narrador
A caravana começou a andar. Algumas coisas saíramde lugar, mas nada muito problematico. Quanto a figura, ela se encolheu mais, mas não evitou que fosse descoberta. Era Caelle, seu rosto estava pálido, seus olhos inchados, suas olheiras demarcando o descanso não ocorrido e seu corpo tremia de leve, embora não tivesse febre.

Melantha, Representante de Atlan
- Não deveria viajar nessas condições...  Bom, deixarei você descansar. Terá um longo tempo para isso.
Se afastou e sentou-se em outro canto. Começou a cantarolar melodias tranquilas durante a viagem.

Narrador
Os olhos de Caelle se fecharam com a melodia. Passaram-se algumas horas até chegarem no porto. Uma atividade frenética de navios e barcos, cheios de mercadorias e pescas. A primeira sensação após anos depois de vir para essa terra nova. Nunca mais tinha visto o mar... e agora era para uma viagem curta, não mais para Astarta. Uma nostalgia de gosto estranho.

Melantha, Representante de Atlan
Ao chegar no porto e sentir aquele cheiro salgado a ninfa respirou fundo. Era delicioso o cheiro de natureza novamente. Ela estava ficando demais já em cidades.  Claro que o barulho de gente não era tão agradável, mas... Parecia ser a viagem mais divertida que teria a anos. Assim que a caravana parasse iria saltar para fora para se aproximar do mar.

Narrador
- Muito bem senhorita Melantha, seu navio que tomará carona será Canário Escarlate! - Os guardas apontavam para um dos maiores navios atracados no porto. - E por que saíu? Vamos até as docas com a bagagem! - Disse o outro guarda que dava uma bisbilhotada para trás onde Melantha se encontrava.

Melantha, Representante de Atlan
Nome de pássaco combinado a cor de seu cabelo, nada mal para um nome de um navio. Parecia até que estava pedindo para receber sua presença. Deu um suspiro quando o guarda falou que ainda não era pra ter saído.

- Eu estava querendo ver melhor o lugar. - falou porque provavelmente ele não entenderia o motivo "ver o mar logo" cendo que iria viajar de navio. - e subiu parcialmente na caravana, ficando pendurada.

Narrador
Assim que chegaram perto, os dois guardas se agilizaram em carregar tudo para dentro. O capitão do navio parecia estar zangado com seus marujos.
- PELAS BARBAS DOS ANCIÕES DE ATLAN, os preparativos SÃO  PARA HOJE, seus marujinhos de água doce! Até minha avó andava mais rápido que vocês! - Resmungava alto. O capitão avistou os guardas e mandou-os para uma das cabines que ficavam no andar de baixo da do capitão.
Caelle só saiu após Melantha. Mal se sabia quando ela tinha acordado, mas era silenciosa até em seus passos. Estava mais magra.

Melantha, Representante de Atlan
Se a barda fosse mais forte, certamnete aproveitaria a oportunidade para levá-la no colo (como ajuda e um pouco de constrangimento, também porque seria divertida a cena).
Caminhou energéticamente até o capitão.
-Olá capitão~ - sorriu - SOu Melantha, prazer em conhecê-lo.



Narrador
O capitão arqueou a sobrancelha e olhou para a ninfa ruiva.
- ELFA!? Uma mulher!?!? - Gritaram os marujos. - VAI DAR MÁ SORTE, CAPITÃO!
- QUIETOSS! São nossas convidadas! - Era possível ver até os perdigotos voando da boca do homem. - Oi elfa. Seguinte, o mar não é amigo de ninguém. Se prometer se comportar, vai chegar inteira e segura em Atlan!

Melantha, Representante de Atlan
A ruiva resirou fundo e manteve o sorriso, mas que mudou de intenção - de algo energético virou algo mais maroto.
-Elfa... Não sabem nem reconhecer o que está diante de seus olhos. Mas ... - levou a mão ao rosto, fazendo pose de drama - tenho cara de menina que não se comporta? Que cruel~
Falou em tom de brincadeira fingindo estar ofendida. Depois recuperou a pose normal e procurou com o olhar sua companheira de viagem. Mas por experiência própria não desmerecia o pensamento dos marujos. Ela não tinha trazido boa sorte para ninguém.

Narrador
- Sim! Elfas são todas iguais, e tem cara de adolescentes! - Arqueou de novo o cenho. - Uma menina levada! Que vai ser pendurada de cabeça para baixo na prancha! Mas enfim, não se incomode com os marujinhos sarnentos, eles acham que mulher trás má sorte para o navio. Meu nome é Francis Drake, elfa. Seja bem vinda ao Canário Escarlate. - Sorriu de leve e foi subindo a rampa. Curiosamente o navio tinha sua couraça levemente avermelhada.

Melantha, Representante de Atlan
A ninfa não se preocupou muito com não estar avistando Caelle, afinal como assassina deve ter andado despercebida por aí.
-Muito obrigada. - respondeu educadamente quando ele lhe deu as boas vindas. Provavelmente ele não deve ter fica muito tempo em florestas para fazer tal afirmação absurda. Mas se quisesse ter uma boa viagem, seria melhor não retrucar o capitão na frente dos marujos. - Poderia me levar para meus aposentos.

Narrador
- Hei, escudeiro, leve isso. - Se apoderou da mochila de Melantha e jogou para Caelle. - Agora vamos. Deveria usar melhor de teus escudeiros, elfa. - Chegou no deck e levou Melantha diretamente para seu aposento. Era um local pequeno onde os guardas deixavam a mala de Melantha. Havia uma cama, uma escrivaninha, um armário embutido e uma janela, um cubículo.

Melantha, Representante de Atlan
Melantha levou um leve susto ao ter sua mochila retirada. Não respondera sobre a parte do escudeiro. Essa história de ter gente ao serviço dela era algo completamente estranho. Quando chegou ao seu quarto já vira que não ficaria muito tempo ali, passaria maior parte do tempo no convés ou no ninho de corvo.
-Aliás, como disse anteriormente, meu nome é Melantha.  - falou para o capitão que parecia não ter entendido.

Narrador
Caelle levou a mochila e ficou quieta no quarto, sentado no cantinho no fim.
- Tá, tá, elfa. Tudo nome complicado. - Não parecia muito interessado em aprender o nome. - ANDEM LOGO E DESDOBREM AS VELAS SEUS MARUJINHOS LERDOS!
E mesmo assim os homens estavam trabalhando o mais rápido que podia. E assim que temrinavam de desamarrar as cordas das velas, foi para o deck superior. - LEVANTEM A ANCORA, VAMOS PARTIR! - gritou e logo recebeu uma resposta de afirmação unisona.

Melantha, Representante de Atlan
A ruiva ficou irritada e se sentou na cama. Quando o capitão subira, olhou para Caelle.
-Como posso lhe chamar? Posso usar seu nome aqui ou isso trará problemas? - perguntou pois até tinha receio de ver seu nome se esplhando e atrair perigos desnecessários.

Narrador
- Caelle... - disse ela bem desanimada e cansada. Seus olhos continuavam vidrados. A influencia de Philotheos ainda pegando forte nela.

Melantha, Representante de Atlan
- Talvez teria sido melhor ter ficado em terra firme, Caelle. Você só irá melhorar quando... deixar medos e remorsos para trás. - deu um sorriso gentil. - Pode se deitar na cama e dormir se achar melhor.

Narrador
- ... - Não respondeu mais nada. E se Melantha não continuasse o diálogo, passariam-se dias e mais dias, sem terra, apenas água por todos os lados. Chegava a ser entediante uma vez que o oceano ocultava a vida bem longe do navio.

Melantha, Representante de Atlan
Melantha cantava e tocava todos os dias, preferiu que Caelle se acostumasse (ou tentasse) com sua presença sem interação em excesso já que ela era de poucas palavras.  Um dia, já entediada e sem vontade de tentar lembrar que dia que era, foi atrás do capitão para saber quanto tempo ainda faltava para chegarem ao destino.

Narrador
Caelle apenas dormia quando Melantha cantava para ela, era como se trouxesse um pouuco de paz no coração atormentado dela. Por fim, quando a ninfa saiu para o convés, via o Capitão estudando dois mapas. Ele virou-se para a ninfa e deu a luneta para ela.
- Ficará morando em Pretoravani não é a capital, a capital é submersa. - Apontou a luneta e mostrou para Melantha, um resquício de terra bem de longe. - Mas vamos te levar depois para Pretora, a Capital. Pensando ainda se vai aguentar muito tempo de baixo da água...

Melantha, Representante de Atlan
- Entendo... Agua pra mim não é problema. - deu um sorriso - Chegaremos lá em quanto tempo?

Narrador
- Hoje de noite. Os ventos estão confirmando pressão baixa... chuva está vindo logo. - Suspirava. - VAmos ficar presos por uma noite em Pretoravani.

Melantha, Representante de Atlan
- Bom... terá uma noite de descanso, eu acho.

Narrador
Atracaram pelo fim da tarde no porto. Os marujos ancoraram o grande navio na doca designada e descarregaram a mercadoria. A ninfa e sua companheira foram deixadas lá no porto. A maioria do comércio encontrava-se fechada já por causa da chuva iminente. Podia notar também uma ponte gigantesca de rocha maciça moldada onde se perdia na distância.
O capitão desceu alguns minutos depois da ninfa, observando a atividade dos marujos. Parecia sério.
- Bom, tente se recolher num lugar aconchegante essa noite. Estaremos partindo amanhã quando o sol raiar.

Melantha, Representante de Atlan
- Ok, senhor Capitão. Espero que tenham uma boa viagem. Uuuuhn... Eu não conheço a cidade e como está escuro não ajuda nada...Onde posso encontrar o tal lugar aconhecante, sr Francis?
Ela não parecia dar muita boa para a cara séria dele.

Narrador
- Existe uma hospedaria nos andares de cima. Esse deve ser o único que deve aceitar a essa hora. Nos encontraremos mais tarde lá! - Sorriu e se virou para os marujos. - ANDEM LOGO SUAS LESMAS MARINHAS, ATÉ MINHA SENHORA AVÓ FAZ MAIS RAPIDO QUE ISSO! - Gritou alto. - E VAI TER RUM HOJE A NOITE! - E esse foi o estopim para os marujos agilizarem muito mais.
Caelle seguiu Melantha, carregava a mochila dela e a mala. Não tinha dificuldade aparentemente. Era tão forte quanto Gabrielle.

Melantha, Representante de Atlan
Melantha foi andando na direção indicada pelo capitão.  Por ser de noite e escuro, a ruiva andava mais atenta que podia, afinal... era uma cidade. E as cidades portuárias geralmente não tem fama de bons cidadãos. Também verificava e Caelle estava conseguindo acompanhar bem.

Narrador
As escadarias eram inúmeras, todos eram estrategicamente colocados, uma vez que a ilha era pequena e possuía seu crescimento baseado para cima, ou talvez para baixo, coisa que a ninfa não tinha visto ainda.
E como indicado pelo capitão, via a hospedaria aberta com a iluminação das velas. Parecia estar bem cheio afinal todos falavam alto e conversavam.
Antes de chegarem lá, passavam por um beco e o medo da ninfa ocorreu, mãos se esticaram e puxaram tanto a ninfa como Caelle, jogando-as com força contra o chão.

Melantha, Representante de Atlan
Mel tentou ignorar a dor da queda e do puxão e tentou se levantar enquanto colocava a mão no cabo da adaga e reconhecer quem tinha puxado.
-Não é uma maneira delicada de cumprimentar donzelas. - falou calmamente.

Narrador
- Hãh... então vamos fazer o que quisermos contigo, 'donzela'. - Disse uma das vozes. Era um humano. - E depois te vender para o mercado dos escravos... vão pagar alto por seu rostinho lindo. - Fumava charuto e isso levemente iluminava o rosto dele. Ao todo eram 5 pessoas que cercavam as duas.
Caelle colocou-se em cima de Melantha e se levantou, revidando com seu sabre. Acertava o homem mais perto com o cabo da espada. Ainda acertou um segundo que se aproximou, com um chute no estomago, mas não teve tempo de revidar os outros dois. Cada um segurava cada braço da guerreira e o que parecia ser o chefe desferia vários socos no abdomen dela.

Melantha, Representante de Atlan
Assim que Caelle começava a agir a ruiva começou a cantar para chamar elementais para atacar os homens que seguravam sua companheira.

Narrador
Um elemental de água formou-se atrás da ninfa, e antes mesmo que precisasse pedir para defender ela, ele passou, nao ao lado da ninfa, mas por cima, por que ele era grande, molhando Melantha no processo, acertando os dois bandidos que seguravam Caelle e molhando a guerreira também no processo. O quinto homem fugiu antes que pudesse terminar qualquer coisa.

Melantha, Representante de Atlan
A ruiva pediu para que o elemntal perseguisse o quinto homem para nocautea-lo também. Que fosse apenas pelo susto, ela não iria deixar passar em branco.  Torceu o cabelo para tirar  o excesso da água e se aproximou de Caelle.
-Bom , se começar a chover agora, não será mais um problema tão grande.

Narrador
O elemental seguiu o homem sem perder mais um segundo.
- ... - Caelle estava caída, a dor lhe causando um mal maior do que esperava. Mesmo assim foi até a mala da ninfa e a pegou para sair do beco. Seu manto estava ensopado também e delineava melhor a estrutura de seu corpo, levemente mais inchada que a ninfa por causa de seus músculos. Não demorou muito que largas gotas caíssem e a chuva finalmente despencasse com tudo. Coisa que obrigou a mulher a falar. - Vamos... logo...

Melantha, Representante de Atlan
A ruiva se aproximou e usou cura leve e dispensou o elemental o agradecendo.
-Vamos... - tomou a frente novamente apressando os passos. - Tinha que ser humano. - acabou comentando enquanto andava.

Narrador
Várias mesas redondas estava colocadas por vários lugares, uma lareira gigantesca para secar os novos frequentadores, muitas pessoas sentadas, havia até uma pequena banda de músicos tocando flauta e violão. O taverneiro parecia estar ocupado nos fundos, quem estava no balcão era um de seus filhos que era o bar-man. As serviçais andavam com um pedaço de roupa longa, um vestido cinza preso por alças que cobriam os pés descalsos. Andavam pelo local todo, servindo os convidados e hospedeiros.

Melantha, Representante de Atlan
Olhas escravos era uma coisa deprimente mas não seria ela que iria salva-los. Chegou até o balcão com seu melhor sorriso.
-Boa noite! Teria um quarto dispoível para duas pessoas?

Narrador
Melantha foi recebida pelo Bar-man.
- Pois sim, temos sim. 40 pratas a primeira noite. Os demais são apenas 12. - Nào deveria ter mais que 18 anos, e parecia estar acostumado a brigas, seus braços à mostra denunciavam isso.

Melantha, Representante de Atlan
- Tudo bem. Eu gostaria do mais silencioso que tiver.

Narrador
O jovem mancou ao ir buscar a chave e depois entregou para a ninfa. Melantha podia ver que ele não tinha uma das pernas, era só um pau para escorar ele quando andava e ficava de pé.
A hospedaria possuía uma escadaria externa nos fundos, circular, que dava para seus andares de cima, ao todo 6 andares. MElantha ganhava um que ficava no topo. Possuía uma larga janela frente e trás, o quarto era cumprido, uma cama de casal e um sofá-cama. Possuía um baú de cama na cama de casal e um armário bem grande embutido.

Melantha, Representante de Atlan
Assim que chegava no quarto e fechavam a porta, começou a tirar a roupa molhada. Pegou uma toalha para se secar e estendeu a roupa molhada onde podia. Depois pegou uma muda de roupas secas para se trocar.
-Vai querer comer algo lá embaixo?

Narrador
Caelle negou com o silêncio. Se quer se trocou, continuou ensopada e foi para a lareira com Melantha. PErmaneceu quieta e perto da fogueira para se secar. Mesmo que a ninfa pedisse algo para comer, Caelle não fazia o mesmo. E no fim, permaneceu só na cola da barda. A noite passaria assim. O capitão se juntou mais tarde, bebeu todas com sua tripulção e capotou na mesa mesmo. Ficava no ar se ele iria acordar ou não no dia seguinte.
Por fim ao retornar ao quarto, na hora de dormir, a guerreira apenas se sentou no sofá e ficou encolhida em seu canto com uma coberta.

Melantha, Representante de Atlan
Melantha se aproximou da garota quando ela se sentou no sofá.
-Você... não está se ajudando não comendo... a não ser que... você tá esperando eu dormir para beber sangue de pessoas aleatórias na cidade sem querer me assustar.

Narrador
- ... eu me livrei da maldição... - murmurou ela  e se embrulhou mais na coberta.

Melantha, Representante de Atlan
- Então me diga, como você se alimenta? Já tivemos prova que precisaremos da nossa melhor condição física para aguentar essa cidade.

Narrador
- Eu não tenho fome... Como as mesmas comidas que você comeria. - Se encolheu mais e encostou a cabeça no encosto.

Melantha, Representante de Atlan
- Então trate e beber sucos, pelo menos terá um pouco a mais de nutrientes. E se você se encolher mais eu vou lhe fazer cócegas! - fez cara de zangada, mesmo não estando de verdade.

Narrador
- Eu... não tenho fome... - Disse um tanto depressiva e se cobriu completamente com a coberta.

Melantha, Representante de Atlan
- Bom, você escolhe, não insistir. Mas eu já fiquei por muito tempo sem comer e foi pior ainda enfrentar os problemas que eu tive... Bom... Caso acordar com fome... - foi até suas coisas e tirou os biscoitos de Gabrielle que ainda não tinha comido - Pode comer uns biscoitos.

Narrador
Sem responder, ficou em seu canto pela noite. e foi passando assim... silencioso, menos barulhento e quando chegava de manhã, o sol raiava forte no horizonte. A chuva tinha passado e agora o dia prometia ser bonito. Melantha era acordada por Caelle, a mesma tinha trazido um café da manhã, o pão quentinho que saía ainda um pouco de vapor, suco e frutas.
- Precisamos sair daqui a pouco... Ver se o capitão acordou também... - sussurrou perto da ninfa.

Melantha, Representante de Atlan
A ruiva agradeceu a garota e comeu com gosto o café da manhã. Deu uma epiada de canto sde olho para ver se ela tinha comigo algum biscoito.

Narrador
De fato ela tinha sim comido alguns biscoitos. Assim que acabaram o café da manhã, desciam para as mesas ver se encontravam o capitão.
Francis Drake estava junto a várias garrafas, dormindo e roncando alto como muito de seus homens. Estirado na mesa, estava dormindo como uma pedra.

Melantha, Representante de Atlan
Melantha se aproximou silenciosamente e bateu com tudo na mesa para fazer um barulhão (ainda mais com garrafas e canecos na mesa).

Narrador
O capitão resmungou e virou o rosto para o outro lado. Mas foi tempo suficiente para ouvir uma garrafa cair e se quebrar... mesmo assim o silêncio voltou a reinar.

Melantha, Representante de Atlan
- Isso que era para terem saido com o nascer do sol. - falou quando viu a reação do mesmo. Agora faltava saber qual era a fase de sono do mesmo. Antes de apelar ao balde de água, tentou mais uma maneira sonora. - Olha só, o navio Escarlate não saiu sem o Capitão Francis?  
Se ele não acordasse, ficava curiosa para ver se afetaria seu possível sonho.

Narrador
- MAS O QUE? COM MIL MARUJOS SOB UMA TARTARUGA! Eu NUNCA DEIXARIA ISSO! - Resmungou alto, se levantou e bateu na mesa com mais força, derrubando todo o resto das garrafas. - ACORDEM SEUS MARICAS! - Gritou e olhou a janela, se relembrando a terrível ressaca que estava. Caiu sentado na cadeira e voltou-se para ver quem era que tinha acordado ele. - Elfa ruiva! - resmungou...

Melantha, Representante de Atlan
- Bom dia~ - sorriu largo - Serviço de despertador hoje foi uma cortesia da ninfa aqui.
Fez uma reverência caricata, deu meia volta e olhou para Caelle ainda com seu sorriso largo.
-Missão cumprida.

Narrador
Todos partiram para O Canário Escarlate após isso. Melantha gentilmente foi amarrada ao mastro central mesmo que contra a vontade dela. Foi o tempo de viagem até Pretora que durou algumas horas. De onde estava pode ver que tiraram da área de carga, um enorme sino foi jogado na água, aonde foi afundando.
- Pronto... - Dizia o capitão. A capital era uma ilha pequena acima do mar. O sino era um meio de chegar mais perto. - Vamos descarregar o segundo, precia se pendurar nele. - Apontou o segundo depois de soltar a ninfa.

Melantha, Representante de Atlan
Mel teve que aproveitar a vista já que foi amarrada. Quando foi solta, se espreguiçou.
-Tudo bem. Parece ser divertido. - sorria animada pois não queria dar o prazer de dar uma expressão negativa para o capitão depois de ter ficado amarrada.

Narrador
- Ótimo. - Foi um pequeno empurrãozinho necessário que ele fez, tanto na ninfa como na guerreira e as jogou no mar. O segundo sino foi derrubado e Caelle se agarrou num dos anéis da corrente para descer para o fundo.

Melantha, Representante de Atlan
A barda segurou a respiração e se segurou na corrente também, animada com a água gelada e com o que iria descobrir lá embaixo.

Narrador
O sino foi descendo e descendo numa velocidade em que um nadador não conseguiria. Passou por vários rochedos de formações diferentes até chegar numa clareira de areia pura. Veria várias algas formando a vegetação local e uma caverna logo a frente delas. Assim que o sino chegou a sua distancia maxima, parou de descer. Caelle foi entrar primeiro para pegar folego.

Melantha, Representante de Atlan
A ruiva foi logo atrás de Caelle para respirar, enquanto o olhar curioso olhava para todos os lados. Era sua primeira vez debiaxo do mar e era tudo muito emocionante.

Narrador
- Segure-se em mim... - Amarrava uma corda em sua cintura e seu peitoral. - Não solte. Tente aguentar o máximo que puder com seu folego. - Respirou fundo e assim que a ninfa desse um sinal positivo, mergulharia.

Melantha, Representante de Atlan
Mesmo sabendo que poderia mudar de forma, ainda queria sentir aquela experencia com sua forma original. Respirou fundo armazenando maior quantidade de ar que podia e fez sinal para Caelle

Narrador
Deixou a corda nas mãos da ninfa e mergulhou. Nadava rápida e agilmente. Tinha sua espada desembanhada, e atacava qualquer enguia que pudesse aparecer pelas algas. Acabou realmente tendo que atacar dois até chegar a caverna. Com o folego levemente no fim, ambas viam um barril onde Caelle deixaria Melantha respirar o ar que tinha dentro. Eram pontos estratrégicos que tinham sido deixados caso algo acontecesse. Por fim entrando na caverna, notavam que tinham um corredor longo e torto pela frente. Com vários ouriços para fazer obstáculo, chegavam a uma outra clareira onde outro barril tinha caído. Caelle novamente deixou só Melantha respirar e continuar pela caverna seguinte.

Melantha, Representante de Atlan
A barda vendo o desempenho de Caelle ficou pensando em qual seria sua força total já que assim do jeito que elas estava era surpreendente.

Narrador
Por um segundo viu uma mancha vermelha na corrente de água até se dissolver. A caverna seguinte era cheia de curvas e íngrimes, Caelle pegava impulso sempre que dava, mas seu cansaço e seu corpo deficiiente em saúde começava a pesar. Soltava o ar várias vezes, mais manchas de sangue saindo da boca dessa vez. E assim que finalmente chegavam a uma bolha, ela se jogou para fora, tossindo fortemente.

Melantha, Representante de Atlan
A ruiva arregalou os olhos ao ver as manchas e a garota tossindo.
- Eu estava estranhando sua disposição para alguém que mal estava comendo! Eu posso ajudar de alguma maneira? - torcia para que com elas paradas ali descansando um pouco ajudasse a tosse se acalmar.

Narrador
Caelle tentava recuperar o folego em meio à tosse... um sintoma estranho.
- Não é nada... vai passar. - Se levantou e continuou. A bolha tinha seu significado, era temporário. Haviam alguns fungos em seu teto, iluminando. Caelle continuou na frente, uma das mãos sobre seu peito enquanto a outra empunhava a espada. - Pelo oque ouvi do capitão, Pretora é bem próximo. - Continuou andando até chegarem ao fim da trilha onde dava de novo para a água.

Melantha, Representante de Atlan
- Primeira coisa que você deverá fazer quando chegar na cidade é procurar um curandeiro. Uuuuhn... Que  tal eu chamar meu amiguinho elemental da água para nos levar agora? Assim você pode descansar.

Narrador
- Ele se dissolveria na água não? - Puxou Melantha e mergulharam de novo. A distância era bem mais curta, saíam da caverna para ver uma cidade completamente submersa. As várias criaturas que se encontravam lá cabiam nas descrições que Joshua havia dado. Caelle foi impulsionando até ser amparada por guardas-nagas que carregavam enormes tridentes. A guerreira colocou a mão na boca pra esconder os tossidos e entregou o pergaminho para os dois que levaram seu tempo nada rápido para entender o que se passava e finalmente darem a passagem. Caelle estava ruim. Tossia algumas vezes deixando mais traços. Mas ao menos quando chegavam a uma outra bolha, tinha chance de respirar novamente. Dessa vez ela não agiu rápido, não se jogou nem saiu ao desespero, apenas chegou para dentro e caiu deitada, virada para cima.

Melantha, Representante de Atlan
A barda foi imediatamente olhar para o rosto da colega, checando a condição dela (respiração, cor da pele/labios, etc)

Narrador
Melantha só então se tocava, todas as vezes que tnham chance de respirar, quem tinha dado a preferencia era Caelle. E uma pessoa quando fica muito tempo de baixo da água, a falta de ar afetava intensamente.
Caelle tossiu algumas vezes e enxugou com as costas da manga, finalmente tinham chegado à entrada da cidade.
A bolha de ar na verdade lembrava mais uma cúpula com janelas como se fossem aquário. Dava para se ver a vegetação, os animais e claro, a cidade submersa que era Pretora.

Melantha, Representante de Atlan
A ruiva deu um suspiro, essas pessoas que se esforçavam mais do que deviam só se tornavam motivo de preocupação depois.
-Ao chegarmos em algum lugar pra ficar, você irá descansar. E não aceitarei um não como resposta.
Melantha começou então a admirar a fauna e flora do lugar. Era tão acostumada com o continente que achava tudo fantástico e mágico.

Narrador
- O gen..general avisou que chegaria nos próximos dias. Esse pergaminho foi sua entrada. As moradias ficam no topo... na superfície...  - Caelle se levantou, e sabia que a ninfa nunca ia entender o porque ela se esforçava tanto. Tossiu mais vezes e lavou a mão e a manga vermelha na água. - A cerimonia para ser apresentada ao conselho será dada quando ele chegar. Me parece que ele está vindo só por causa de dois motivos, militar e a cerimônia do conselho. - Caelle se disciplinava a respirar com mais calma. Mas a paz não durou tanto tempo assim. Um dos guardas Nagas saiu da água e começou a se 'arrastar' mais para perto das duas.

Naga mirmidão:

Melantha, Representante de Atlan
- Uhum... Bom, pelo menos poderemos aproveitar e conhecer a cidade quando você melhorar.
Se virou para o guarda que se aproximava e deu um sorriso.
-Pois não?

Narrador
- SCchkhhch! Sshaaahvrashkk!? - Ele tentava se comunicar no começo.

Melantha, Representante de Atlan
- Perdão, não compreendo. - fez cara de desentendida. Se ele não falasse mais nada ela teria que chamar ajuda igual anos atrás chamou pra entender o monge.

Narrador
- .... - O guarda bufou e tento algo diferente, parecia raspar algumas palavras na linguagem élfica, mas possuía muito sotaque e regionalismo diferente do élfico da superfície. - O consssssselho não ssssse encontra reunido hoje, criatura da ssssuperfície.

Melantha, Representante de Atlan
- Oh, tudo bem - respondeu falando com calma para que ele pudesse compreender também - Eu posso conhecer a cidade enquanto isso. Se não tiver problema, claro.

Narrador
- Lá fora... - apontava o dedo para cima. - Mora lá como... osss outross. - Não mencionava mais nada. Arrastou a larga ancora de volta para dentro da água assim que retornava.

Melantha, Representante de Atlan
Interpretando como ele avisando que ela ficaria hospedada lá fora como Caelle tinha avisado,  agradeceu com um aceno de cabeça.
-Obrigada!
Foi até a colega.
-Consegues andar?

Narrador
- Ter que... nadar de novo... - Caelle se levantou e pegou na mão da ninfa. - Vamos? - Puxou a ruiva de novo e finalmente seguiram para uma torre enorme. Torre que ligava até a superfície aparentemente. E sem notar, as duas estavam numa profundidade além do normal para pessoas da superfície.
A guerreira tinha uma aptitude boa para nadar, seu corpo movia-se como uma serpente e sempre que podia, pegava impulso.

Melantha, Representante de Atlan
Melantha não queria continuar a nadar mas se era o unico jeito. Só s eperguntou porque não podiam ter parado na ilha direto. Seria bem mais prático. Tentou da sua maneira não ser um fardo para Caelle, se esforçando mais para nadar.

Narrador
Caelle tosiu mais de várias vezes durante o trajeto até que chegaram à torre central. Era estranho como havia um mecanismo de tubos de água que serviam de peso e de sustentação de uma plataforma que possuía uma bola de ar. Assim que as duas entravam, a plataforma estremeceu até que um jato de água começou a fazer com que a plataforma subisse. Por causa da distância, demorou um bocado até chegarem no centro da ilha. Era minúscula, e as estruturas pareciam ter contornado sua geografia, dando um aspecto diferente para a ilha.

Melantha, Representante de Atlan
A ruiva ficou se perguntando se teria alguém lá para recebê-las ou não. Já que o trajeto até a superficie era demorado, começou a cantar muiscas animadas para passar o tempo.

Narrador
A ilha possuía três montes e três praias exatamente, era um círculo, como que um meteoro tivesse caído naquela formação recente e e criado algo quase que simétrico. Caelle respirou fundo o ar fresco, a vegetação possuía muitas palmeiras e caranguejos que andavam livremente. E este seria o local que passaria a ser talvez seu lar secundário, um ponto turístico.

Melantha, Representante de Atlan
Assim que entraram girou em torno de si  umas três vezes e depois de agaixou para ver os carangeujos mais de perto. Deve ter perdido uns dois minutos observando as criaturas. Se levantou e começou a caminhar esperando que a outra a acompanhasse. Como tinha tmepo não precisaria correr para achar o lugar onde repousariam.

Narrador
A guerreira não tinha em sua face a melhor expressão de saúde, mas mesmo assim seguiu Melantha, forçando um sorriso de leve e se jogando na areia para descansar. O sol estava alto e chegava a secar as roupas rapidamente.
O local era o centro, o elevador de agua ficava bem no centro, a ilha pequena tinha sua pequena feira, mas nada se comparava ao tamanho de sua cidade irmã. Os três montes representavam algumas coisas que não eram facilmente perceptíveis, mas ao menos um deles tinha aparência melhor de ser quase que um resort de vários andares de quartos.
As pessoas que frequentavam o local, a maioria eram criaturas da superfície, mas era possível ver um ou outro elfo de pele levemente azulada, algumas nagas escamadas e genasis que se sentiam confortáveis ao estarem fora da água.

Melantha, Representante de Atlan
A ruiva deu suspiro.
-Então tudo bem. Bom descanso~
Se não tinha o pergaminho, o pegaria para saber onde teria o quarto. Mas não iria a taverna. Não sabia nem o que fazer primeiro... Se procurava uma biblioteca ali ou se só teria na cidade submersa, se procuraria a tal erva que preisava ou se... procuraria uma criatura rabugenta. No final não sabia se conseguiria alguma coisa ali ou não então... começou a caminhar pela cidade para ver se achava alguma coisa para lhe indicar o que fazer primeiro.

Narrador
A primeira parada que Melantha notava era que uma das praias era diferente das outras. Essa não era portuária e possuía o mar mais virgem comparado aos três lados. Era como se os navios fossem obrigados a desviarem qualquer rota alí perto dela. As areias carregavam várias conchas de variados tamanhos, algumas garrafas jogadas provavelmente de marinheiros que beberam, e muitas palmeiras. Muitos dos turistas pareciam estar sentados aos pés dessas árvores e muitos outros se banhavam na praia.

Melantha, Representante de Atlan
A ruiva tirou o calçado para pisar na areia.  Achava lamentável as garrafas ali no chão estragando a beleza do cenário.  Foi então caçar a concha mais bonita que achava para dar de lembrança para Gabrielle.

Narrador
Quanto mais se aproximou do mar, notava também estrelas do mar que secaram com a exposição fora do mar. Era interessante como o mar arrastava coisas inusitadas para aquele local. Melantha via vários barris e caixas de madeira que foram arrastadas. Muitos eram mercadorias perdidas que claro, já tinham sido levadas e suas carcaças ficaram ali. A pilha que juntava alí era possível até fazer uma jangada gigante com muita criatividade.
Indo para o outro canto da praia, notava várias crianças brincando com areia, enterrando turistas adormecidos e claro, castelos de areias.

Melantha, Representante de Atlan
A barda observava os objetos e também pegadas tentando descobrir o tipo de criatura que passara ali. Essa areia era agradável mas começou a trazer as lembranças dos dias no deserto que se tornaram suportáveis graças a alguém. Então resolveu caminhar para voltar a cidade, pegando a concha mais bonita que tinha achado ali perto.

Narrador
A maioria eram pegadas humanas, mas algumas se arrastavam, e outras tinham um aspecto mais bestial, os dedos levemente afinados no fim. Variavam entre largos e finos. Notava também que não avistou nenhuma sereia até então.
As conchas variavam de tamanho e formato. Uma em especial tinha uma coloração levemente perolada com pontas dentadas e avermelhadas.
E a caminho de volta para o centro que não passava mais de 500 metros, via uma plataforma alta e um aglomerado de pessoas e muitos homens da aristocracia. A plataforma tinha vários homens e mulheres em grilhões. Vestiam trapos e tinham seus corpos lubrificados com uma espécie de óleo para dar um brilho. Um outro homem ainda checava os dentes de cada um e depois se colocava no palanque onde começava a leilão batendo a marreta.
- Vamos lá, estes são de qualidade mais fina que obtivemos! Começamos com Cinquenta mil peças de ouro! Quem se habilita a mais?
- 55 mil! - Uma pessoa levantava a mão e gritava.
- 60 mil! - gritava um outro.

Melantha, Representante de Atlan
Com peso no coração, olhou rapidamente para os escravos. Ela infelizmente não teria como conseguir dinheiro para comprar a liberdade de todos. Torceu para não reconhecer ninguém e caso ela pudesse ter ao menos esse alívio, apressaria o passo para longe dali.

Narrador
Viu ainda uma gaiola, estava abarrotado de gente, sem direito a espaço privado, as mãos se esticando, pedindo socorro, constantemente eram espetados pelos guardas nagas que usavam lanças e tridentes.
Sua jornada seguiu-se para um dos montes onde estava os quartos. Caelle subia a escadaria externa e parecia conversar com alguém que trazia as malas que tinham deixado na hospedaria de Pretovani. Haviam alguns guardas de uniformes imperiais, era uma espécie de embaixada Imperial no lado da extrema direita onde dava a vista para a praia virgem.

Melantha, Representante de Atlan
Melantha olhou a cena e estranhou a garota de poucas palavras falando com alguém.  Mas achava que ainda não era momento de ir para o quarto e foi seguindo o caminho para conhecer mais a cidade.

Narrador
Deu-se para a segunda praia, via o Canário Escarlate ancorado numa das esteiras de madeira bem longe e era por tamanho de navio que cada um estava lá ancorado. As laterais de cada monte que davam para essa praia possuíam construções enormes onde um gigante da montanha levantava as mercadorias com facilidade e guardava nesses armazéns, um gigante escravo.
Além desse detalhe, nào havia mais nada que chamasse atenção. O monte seguinte era a residência de alguns, e possuía vários andares como a hospedaria. Era um aglomerado de escritórios pequenos. Notava o brasão imperial que Joshua usou várias vezes como notava outros que desconhecia. Notava um em particular que relemebrava Astarta.

Melantha, Representante de Atlan
Ao ver o símbolo que representava (ou pelo menos se assemelhava) Astarta, o coração dela deu um pulinho. Quando percebeu sua curiosidade já a conduzira para perto do lugar. Será que havia alguém de boa fé? Ou estava abandonado?

Narrador
A porta encontrava-se trancada. A levemente enferrujada maçaneta denotava claramente a falta de uso ultimamente. O fato de esperar encontrar alguém lá era dispersado ao nada de maneira rapida. Melantha não era proficiente em abrir fechaduras como ladinos são, mas a ninfa se lembrava de precisar de um kit que era possível achar em algumas lojas de áreas mais sombrias.

Melantha, Representante de Atlan
Talvez se ela teleportasse para lá dentro mas... Era melhor ela não tentar invadir locais no seu primeiro dia. Se ela fosse pega em flagrante, o que poderia falar em sua defesa? E se ela era pra atuar como diplomata era melhor se comportar - ou ter certeza que não seria pega. Talvez tentaria andar nas sombras. Mas apra comprar o kit certamente iria mudar sua aparência. Saiu da frente da porta e voltou a andar.

Narrador
Acabou por voltar para o centro. Não via nada demais na próxima praia, apenas navios e mais navios. O terceiro monte tinha um par de guardas humanos e bem armadurados. A entrada era bloqueada para qualquer um que tentasse entrar, deixando claro estritamente que realmente gente selecionada podia entrar. O monte em si não tinha nada de diferente dos outros.
- COM MIL E UM MARUJOS DE ÁGUA DOCE! - Gritou a voz famosa que Melantha reconhecia.
- PELAS BARBAS DO PROFETA! - Gritou uma outra voz... desconhecida.
- EU JÁ DISSE QUE O CANÁRIO É MEU! EU GANHEI NA APOSTA!
Capitão Drake parecia brigar na mão mesmo com um outro de mesmo porte. Suas tripulações de cada lado começavam a causar uma baderna feia e os caídos eram os primeiros a serem jogados para fora por um guarda naga.
- MENTIROSO, ROUBOU QUE EU VI! LADRÃO!

Melantha, Representante de Atlan
A ruiva se aproximou curiosa para ouvir os argumentos e com quem o capitão estava discutindo, tentando, claro, não levar uma surra de graça.

Narrador
O outro capitão aproveitou-se do soco forte que deu em Drake e pegou uma cadeira só para descer diretamente na cabeça.
- TINHA TROCADO PARA DADOS VICIADOS ANTES DO JOGO! EU NOTEI ISSO TRAPACEIRO!
Drake levava vários chutes, estava zonzo. A tripulação do Canário Escarlate logo se concentravam em ir atrás de seu capitão, mas levavam cadeiradas e garrafadas na cabeça. Os que resistiam ou sobreviviam de maneira esperta, começavam a lançar coisas, várias coisas, até que uma delas, um acerto perdido, uma caneca de madeira acertou a cabeça da ninfa e a derrubou quase que instantaneamente para trás.

Melantha, Representante de Atlan
Passando a mão na cabeça para acalmar a região ferida sentou-se e começou a engatinhar para longe da bagunça. Esperava briga com espadas mas não objetos arremessados.  Que deixasse os ratos do mar resolverem os problemas por conta própria.

Narrador
Mais coisas voaram, inclusive garrafas e mesmo pequenos barris. Estava ficando mais perigoso para a ninfa.
Sua fuga acabou parando de volta para a praia virgem e o monte dos quartos. Era uma ilha pequena, mas suas andanças e curiosidades a fizeram com que o tempo passasse rapido. Era já duas da tarde.
Alguns outros detalhes eventualmente apareceriam e dessa vez notava que naquele monte, o térreo carregava várias lojas pequenas e algumas tendas, provavelmente era a feira que tinha a metade aberta ao céu, outra metade dentro do local.

Melantha, Representante de Atlan
A ruiva parou em um canto deserto para fazer uma pequena metamorfose em sua aparencia. Deixou os fios loiro-dourados e olhos verdes, mudando um pouco o nariz e as orelhas, escurescendo um pouco seu tom de pele como se estivesse bronzeada. Afinal não seria nada agradável para uma representante de uma terra ser vista comprando itens suspeitos. E vai que ouviria algo sobre a visita dela? Depois da metamorfose feita,  foi para a feira.

Narrador
Melantha achou tantas coisas diferentes que se quer saberia o nome, e incluíam desde frutas, ervas, e frutos do mar até produtos de madeira ou metal.
Achou o tal kit de abrir fechaduras por um preço barato. Não foi difícil convencer com sua lábia e agora estava livre para voltar para aquele escritorio em especial.

Melantha, Representante de Atlan
A barda foi até o tal escritório novamente. Deu uma olhada rápida para ver a movimentação.

Narrador
Poucas pessoas passavam por perto. Tanto que foi facil destrancar, abrir a porta e entrar. O escritório tinha várias teias de aranha, a janela encontrava-se fechada e mesmo com a pouca iluminação, Melantha poderia ver um nome na mesa. Tyranduir. Cada lado da parede estava abarrotado de livros e relatórios.

CONTINUA...


Última edição por Joshua Stranford em Seg 17 Fev 2014, 11:06, editado 1 vez(es)
avatar
Joshua Stranford
Admin
Admin

Mensagens : 345
Data de inscrição : 16/01/2011
Localização : Uris

Voltar ao Topo Ir em baixo

As Tropas de Atlan

Mensagem por Joshua Stranford em Dom 09 Fev 2014, 19:40

Objetivo: Levar Charise para conhecer Dorma e as Tropas de Atlan
Objetivo realizado? Ainda não, jogo em andamento
Personagens Participantes: Charise Veillard, Dorma, Joshua



Joshua Stranford, General Imperial
Joshua havia deixado uma série de treinamentos para Diana continuar. Deixava Alathea marcar a lista para ver o quanto Diana teria melhorado com o tempo. Mas o desafio seguinte aos treinos eram as aulas mais intelectuais, desde os fundamentos escolares que a aristocracia aprendia até sobre comércio. Fez o foco de preferência em aulas de geografia, história e física. Quanto ao general, estava levemente diferente de antes, parecia levemente cansado e não era o fato de tutelar Diana. Mas nunca deixava isso lhe afetar o dia-a-dia. Era firme como sempre.
Aquele dia em especial, dois dias depois da reunião, teria preparado as papeladas necessárias para ir para Atlan e tinha combinado com Charise de viajarem apenas os dois. Uma pequena parte por terra até chegarem aos mares, deixando a livre oportunidade da dragoa nadar ao invéz de voar. Por fim, chegariam a uma ilha pequena acima do nível do mar em apenas alguns dias de viagem.
- Hhmmmm...Pretora... essssa é a capital de Atlan, Charissssssse... - Mas conforme o mais velho ia se aproximando, ia pousando e perdendo sua forma para a forma humana.
A ilha possuía exatamente três montes e três praias, dois das três eram portos, deixando uma apenas para a atração turística. Ao centro da cidade, o chão que era somente areia, possuía uma torre enorme e uma entrada suficiente para entrarem 10 pessoas de porte médio.
- Confesso... que é minha primeira vez em Atlan também... - O general sorria de leve. - Um dos três montes possui escritórios de representantes. - Apontou um no extremo lado direito onde carregava o símbolo Imperial. - Qualquer problema, só ir conversar lá. - Mas não era só o império que estava presente, haviam siglas e brasões conhecidos e alguns outros desconhecidos. Se perguntava se Dorma iria encontrá-los no topo da ilha ou nas profundezas mesmo.

Charise Veillard
Se depois da reunião os outros presentes  não mudaram, o mesmo não se podia dizer pra dragoa. Milagrosamente demonstrava muito bom humor em tudo o que fazia - mesmo coisas que não gostava - e com certeza na viagem não foi diferente. Certamente Joshua devia querer matá-la de tão insuportável que estava sendo com aquela alegria infantil somada aos constantes bombardeios de perguntas. Mas, oras, não era culpa dela se não conseguia controlar o ânimo, oras!
- Então, você como grande comandante deve saber o que tem aqui e-- - Parou a pergunta no meio ao ouvir a voz do mais velho e piscou algumas vezes, incrédula - ... Como assim é sua primeira vez aqui?! Você é UM COMANDANTE, ALGUÉM IMPORTANTE! Como nunca pisou aqui?! Isso é brincadeira, não é? - Pôs as mãos na cintura e olhou ao redor, revirando os olhos. Ótimo, se era a primeira vez dele, quem ia guiá-la por aquele lugar todo?!

Joshua Stranford, General Imperial
Joshua deu um peteleco na cabeça de Charise.
- Mas comporte-se, menina. Enfim, eu permaneci muito tempo na minha cidade, não tinha intenção de vir aqui. E não sou comandante, sou um General. Essa foi a diferença que os rebeldes cometeram quando tentaram aplicar o golpe, não se esqueça. Melantha já está aqui, buscaremos depois ela para conversarmos antes de sair daqui. - Sorriu de leve, estava mais tranquilo ali. - Depois eu deixo brincar na areia para fazer um castelo. - Riu por tratar ela como uma criança e seguiu para a torre do centro.

Charise Veillard
Mais uma vez tinha levado um peteleco e mais uma vez armou uma carranca daquelas,  olhando para o azulado com cara de poucos amigos:
- Pare de me bater! Não é culpa minha se não sou uma velha mal-humorada como você! - Inflou as bochechas, mas continuou seguindo o mais velho porque apesar de tudo ainda gostava dele... E também porque precisava de alguém pra lhe indicar pelo menos os lugares do Império, certo? - E não quero ir pra areia, quero ir pra água! -  Respondeu fazendo bico e estendendo o dedo médio sem nenhum tipo de respeito. Ops.

Joshua Stranford, General Imperial
Mordeu a cabeça da pequena e depois foi para a bendita torre. Ria com gosto. Charise era o exemplo de juventude perdida dele. E por causa disso adorava sempre rir com as piadas de situações que ela criou. Enfim chegavam à torre, averiguando primeiro como estava o movimento. Se ninguém aparecesse, iria dar o primeiro passo pra entrar na plataforma.

Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
*Quando se aproximaram da Torre, e poderam ver que seu corpo era feito do que parecia ser vidro transparente, também foram capazes de ver o imenso elevador, movido a pura magia, descendo do alto da torre até o nível onde eles estavam. Abaixo também notariam que havia uma espécie de doca, e uma grande abertura para o mar. A profundidade parecia imensa, visto que as águas ali entra de um azul escuro profundo, porém águas calmas.
Que foram agitadas quando 8 enormes tentáculos emergiram, segurando-se em pilastras lá em baixo. Dois outros tentáculos, maiores ainda, com 15 metros de comprimento, saíram também do mar. Um deles foi até o elevador parado, e tinha sobre si esta figura: (http://imageshack.com/a/img844/6261/g3e5.jpg)
Ela desce calmamente, com água escorrendo do corpo, virou-se, acariciou o enorme tentáculo, fazendo-o recuar. Lá em baixo uma lula gigante, que a servia como montaria, recuava para debaixo da água.
A elfa caminhou até Joshua, cumprimentando-o solenemente.*
- Prazer em recebe-lo, General. Meu nome é Dorma Vallerun, Campeã de Atlan, e responsável temporária pelas tropas militares.
*Virou-se para a convidade de Joshua.*
- Prazer recebe-la, Sra Charisse.
*Curvou o corpo levemente.*

Joshua Stranford, General Imperial
- Campeã Dorma! - Reverenciou cordialmente para a campeã. - Ouvi sobre ti muitas vezes, mas nunca tive chance. É um prazer imenso. - Assumiu uma postura mais ereta depois disso. - Melantha chegou já a alguns dias atrás, ela preferiu conhecer primeiro o local antes de ir ver o conselho. - Trouxe Charise para frente para falar com Dorma. - Ela é nova e nunca foi disciplinada para participar de tropas, conhece muito mais briga de rua do que um combate armado, e ela carrega uma surpresa que vai gostar. - Afastou-se de leve para dar espaço para as duas conversarem. Joshua raramente entrava em água mesmo quando tinha de ir caçar um certo dragão negro que Voltaire fazia questão de cuidar.

Charise Veillard
O elevador, juntamente com a lula e a campeã de aparência mais que exótica (vulgo horrível em sua opinião) foram mais que suficientes para distrair sua atenção. Por isso, acabou nem percebendo muito o diálogo que se seguiu entre os outros dois e somente deu um pulo ao ser puxada, dando um tapa no braço do dragão enquanto se virava pra ele sem conter a irritação:
- DÁ PRA PARAR DE ME PUXAR ASSIM OU TÁ DIFÍCIL?! - Seu rosto estava vermelho de raiva e ela teria continuado xingando o homem, se não tivesse enfim se tocado da presença mais importante. Virou-se imediatamente para Dorma e piscou algumas vezes - A-Ah... D-Desculpe... É tudo culpa dele!

Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
- Hmmm... Peço perdão por interromper a conversa entre o casal... *Falou, um pouco sem jeito ao notar a intimidade entre os dois.*
- Estou interinamente no posto de Comandante de Atlan, coisa que não quero estende por muito mais tempo do que o necessário. A superfícies é um lugar muito barulhento e cheio, prefiro o mar.
*Sorriu brevemente, apontando para o andar de baixo para onde seguiram.*
- irão diretamente ao conselho ou pretendem vistoriar e conhecer as tropas?

Joshua Stranford, General Imperial
Joshua deu um tapão em Charise enquanto voltava-se para perto da campeã.
- Impressionante. Comandante das tropas aqui. Aliás... sobre o fato do Império mandar dois representantes, Melantha estará lidando diretamente com o conselho enquanto Charise estará sob sua tutela aqui. Pois então hoje o assunto será mais focado com a área militar. Vamos? - E se Charise se recusasse com birra, Joshua iria puxar ela pela orelha. - Para falar a verdade, estou bem interessado mesmo nas tropas primeiro...
Não deixou de pensar em sua consorte quando Dorma havia mecionado a palavra 'casal', mas ignorou ao máximo naquele instante.
- Vai, vai ficar comigo só mais hoje e depois vai ter todo oceano para ser livre e conviver com os nativos de Atlan, comporte-se Charise. - Estava ficando resignado com a postura da menina de certa forma.

Charise Veillard
Soltou um xingo baixo, quase imperceptível e se amaldiçoou mentalmente por não poder rebater o tapa da mesma forma, mas por sorte aquilo foi temporário... Aos poucos o pouco bom senso que tinha se fez presente e a garota se limitou a cruzar os braços de novo, seguindo ambos para sabe-se lá onde infernos estariam indo.
- Afinal, o que estamos indo fazer vendo as tropas? Avaliação de treinamento? E isso fica mesmo lá embaixo? - Apontou de leve para a descida, os olhos demonstrando claramente sua curiosidade.

Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
- Avaliação? Não hoje. Primeiro vamos mostrar que temos aqui, e ver como você poderá se encaixar nisto. No que se sentir sendo capaz de fazer melhor, experimentaremos.
*Ergueu o braço esquerdo e o abaixo devagar, dando ordens para o elevador desçer até o nível logo abaixo.*
- Sim, nossas tropas ficam estaciona das logo abaixo da cidade. Pretora possui tanto terreno abaixo do nível do mar quanto acima dele. E para não perturbar a ordem pública, e devido a nossa força ser composta em sua maior parte por tropas aquáticas...
*Assim que chegaram, um portal, parecendo feito de água, se abriu, revelando uma imensa câmara subterrânea. Milhares de criaturas estavam pelo solo dali. Enormes passagens para as profundezas do mar eram vistas. A frota de guerra também podia ser vista ao fundo, com não menos de uma centena de naus, e entre elas o maior orgulho do lugar, a Nau Capitanea, que era tão grande quanto um castelo. Todos caminhariam por uma passarela a quase uma centena ele metros acima do solo e do mar, próxima ao teto.*
- Aqui estão os mais corajosos e heróicos combatentes dos reinos, Sra Charisse.

Charise Veillard
Por incrível que pareça, Charise percorreu todo o caminho pela câmara  sem dizer um pio sequer, o que era estranho se considerando sua personalidade e a empolgação por fazer parte de um exército. Porém, ainda assim era possível ver que ela estava animada, só não sabia como demonstrar.
- ... Os mais... Corajosos e heróicos... E eu... Vou fazer parte desse exército? - Virou-se para Dorma com um sorriso besta de orelha a orelha - Mas eles não vão ficar putos comigo não, né?

Narrador
A outra área era extensa além da frota era do exército submarino, haviam vários animais diferentes, mas aqueles que mais chamavam a atenção eram os que eram montados como Narwhals. Todos estes montados nestas baleias de chifre carregavam lança, denotando claramente que era a tropa lanceira.  Peixe espada como montaria e arpões indicavam a tropa de longo alcance e rapidez. Tartarugas gigantes que tinham forças de lançar rochas tinham a mesma força que catapultas. As arraias e seus montadores usavam redes com o intento de imobilizar seus alvos. Tudo em Atlan era mais natural e mais animal e isso diferenciava mais entre as outras nações.
As tropas de infantaria eram compostos por Nagas, tritões e Merfolks (meio homem, meio peixe) de várias espécies distintas. Seu porte físico era muito mais robusto do que as pessoas da superfície, Charise era bem familiar a isso, dentro da água a resistência era maior e estes seres, se não eram rápidos, eram bem mais fortes.
Por fim havia uma pequena tropa de elite. Estes eram merfolks que estavam montados em tubarões e Serpentes, Nagas também estavam presentes e eram muito mais robustos que aqueles da infantaria e suas armas primárias eram âncoras que giravam sem ter muito problema.
Aqueles que usavam armaduras em geral usavam algo sedimentado por anos ou corais de formatos menos inofensivos possíveis. Mais da metade do exército praticamente possuía escamas em alguma parte do corpo ou por completo, sendo desnecessário precisar alguma armadura desta forma.

Joshua Stranford, General Imperial
Joshua ergueu o cenho. Era a primeira vez que ele via tanto navio e tanta criatura marinha acumulada em um ponto só. Não pôde esconder o entusiasmo por alguns segundos.
- Charise, por que não vai com a comandante Dorma ir mostrar sua forma real para eles? - Cruzou os braços com um sorriso de lado. - Eu ficarei aqui esperando

Charise Veillard
- Joshua! Comandante Dorma! - Exclamou olhando de um lado para o outro feito uma doida, sem saber com qual das montarias e criaturas ficava mais empolgada. - Eu vou poder montar em um peixe espada ou numa tartaruga? Digam que sim! - E depois virou-se para o mais velho - Olha, eu posso até mostrar minha forma, mas se pensa que vou ficar passeando por aí com ela está muito enganado! Sabe que gosto de parecer humana, é bom até pra passar a perna em idiotas e... Bom, acho que já deu pra perceber o que quero dizer, né? - Empinou o nariz - Vamos, srta. Dorma? - Sorriu e fez menção de agarrar a mão da comandante para sair correndo, mais uma de suas atitudes infantis que nunca mudavam.

Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
*Dorma era comedida, falava sempre de forma calma e tranquila, e gostava da reação de estrangeiros quando em frente as belezas, e poderes, de sua pátria.*
- Nossa, é incomum ver dragões que se sintam confortáveis estando fora de sua forma natural.
*Sorriu, cordial e apontou o caminho a frente para seguirem.*
Sra Charisse, se tudo der certo, você terá a montaria que achar melhor. Em geral isto se dá por afinidade. Mas adiando que peixes espada não tem o tamanho suficientemente grande para serem montados, mas são criaturas leais para se ter ao lado no mar.
Vamos descer aqui...
*Dorma se aproximou da beirada e pulou da passarela, diretamente dentro de uma das entradas para o mar abaixo, mergulhando graciosamente.

Joshua Stranford, General Imperial
Joshua sorriu de lado e se afastou da entrada. Não mais tinha papel de ficar lá.
- Cuide-se e não esqueça de visitar Leon as vezes. E aproveite o máximo que puder de sua estadia. Fale com Dorma depois, imagino que vá querer um lar submarino aqui. - Fez um cafuné na menina e começou a fazer o caminho de volta.

Charise Veillard
- Sim, é incomum, mas depois de um tempo vivendo assim você acaba se acostumando... E eu peguei alguns costumes, sabe? - A dragoa riu de leve ao responder olhando para Dorma enquanto se lembrava dos humanos com quem convivera há muitos anos e com quem tinha feito até certa amizade - Sem falar que ser uma garota é muito melhor pra conseguir informações e enganar os outros do que um dragão... Quer dizer, a maioria não negaria informações a um dragão ENORME, acho, mas quando se quer ser discreto... - Deu de ombros e então olhou para Joshua, fechando os olhos de leve - Obrigada por ter me trazido até aqui... Ah, se puder, eu gostaria que mandasse um recado ao Leon... Aposto que ele vai estar surtando em Urys, mas diga que eu estarei lá quando ele menos esperar! E ai dele se estiver com outra mulher! - Elevou um pouco a voz sem notar que estava pensando alto e nem esperou resposta, simplesmente saiu correndo atrás da comandante e também saltou para uma das entradas, embora sem a mesma graça da mais experiente.

Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
*Se acima do mar havia tanto movimento, abaixo dele havia muito, muito mais. Batalhões nadavam uniformemente, patrulhas se moviam por todos os lados. Tubarões, que eram como os "lobos" no mar. Assim que chegou no mar, Dorma aguardava a dragoa.*
- Diga, com oque tem afinidade? Combate corporal? Armado, desarmado? Longo alcance?

Charise Veillard
- Uhn... Eu... Bem, eu treinei um pouco de combate corporal, mas é meio difícil dizer se sou boa porque meu professor foi um meio-elfo então acertá-lo era quase impossível - Riu de leve - Usava espadas, na verdade ainda uso, mas também preciso reaver o treinamento e... Ah, e longo alcance também! Quer dizer, nunca usei um arpão, mas sei arco-e-flecha, serve? - Olhou para ela com um sorriso sem jeito - Desculpe, eu sou meio inútil...

Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
- Ninguém nasce pronta para combater! Bom, dizem que valquírias nascem, mas nem eu e nem você somos uma das.
*Sorriu, cordial.*
- Siga-me, vamos até o salão de treinamento dos Mirmidões, eles são tropas de elite, temidos e respeitados por nativos e não nativos.
*Nadou rapidamente ali por baixo, nadava como alguém corria na superfície. Logo eles chegariam a um domo abaixo da água.*
- Alguma vez treino combate desarmado?

Charise Veillard
- Tem razão... Se bem que eu nunca vi uma valquíria assim... Digo, em um combate. Pra falar a verdade acho que só vi uma em toda a vida - Exibiu um outro sorriso torto, mais uma vez insatisfeita por bancar a idiota, mas não reclamou pelo simples fato de ter coisas mais importantes com o que se preocupar. Pegando impulso, logo se pôs a nadar atrás da comandante (mais por uma questão de respeito mesmo, senão já estaria no quinto dos infernos), rindo - Sim, já treinei... Não deu muito certo, mas acho que deveria tentar de novo... Digamos que na época a falta de tempo não permitia treinos muito intensos~

Narrador
As Nagas mirmidões eram bem proficientes com tridentes, embora menores que aqueles da elite, eram suficientes para terem dois parceiros lanceiros não importando se eram merfolks, genasi ou elfos. O que ele não tinha de agilidade, tinha força e resistência. O treino geralmente era entre os de mesma raça, mas aqueles que se atreviam a testar sua força, desafiavam outros. Sempre tinha um valentão, valentão que não sabia medir sua capacidade e exagerava muitas vezes. Aquele em especial se era bem conhecido por Dorma, era J’Raschir. Era jovem, forte e tinha grande capacidade de entrar na elite um dia. O jeito que brandia seu tridente, por mais que fosse de treino, era formidável em como manuseava sua arma. As armas de seus adversários causavam apenas um estralar baixinho enquanto que ele varria qualquer com seu tridente, ou então imobilizava enquanto usava de suas mãos escamosas para desamar de alguma forma.

Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
- Estes, Sra Dorma, serão capazes de ser desafio suficiente para você. E você não precisa se conter frente a eles. Mirmidões. Treinam e vivem para combater.
*Chegaram na hora do treinamento, e um deles mostrava ser mais agressivo e feroz, sem machucar MUITO os colegas. Dorma observou-a de soslaio.*
- Quer ser minha dupla no próximo round? Você e eu contra... três deles. Acho que eles ainda estarão em desvantagem!
*Aquilo soou como um tapa na cara dos guerreiros... que olharam de cara feia para elas.*

Charise Veillard
- Uhn... T-Tem certeza...? - Mordeu o lábio de leve, passando os olhos do rosto de Dorma para os guerreiros. - Seria ótimo, mas não quero desapontá-la ou envergonhá-la com minha falta de prática... - "Muito menos conquistar inimigos logo de cara", completou em pensamento.

Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
-Então me observe, e ganhe confiança. É apenas um treino.
*Virou-se para os Mirmidões, e apontou por ultimo o "peixinho prodígio" entre eles.*
Vocês três contra mim.

Narrador
J'Raschir pareceu interessado e tirou seu tridente de uma de suas vítimas. Eram criaturas que não estavam lá para pensar muito. Instintivamente se aproximou de Dorma vagarosamente e num impulso com sua cauda, se lançou contra a campeã, apontando o tridente em direção do tronco da mulher.

Charise Veillard
Tinha ficado vermelha por demonstrar na cara dura que estava temerosa - o que era ridículo, em sua concepção, mas ao mesmo tempo algo que não conseguia evitar - e fez menção de se corrigir dizendo à Dorma que gostaria de treinar com ela, mas parou no instante em que a ouviu desafiar os três mesmo sem parceria. Aquilo era mesmo uma boa ideia, mesmo que ela fosse a comandante...?
- ... O que diabos está fazendo...? -  Sussurrou boquiaberta, até se afastando alguns passos para observar a luta - T-Tem certeza de que é uma boa ideia MESMO?

Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
*Um ataque de carga. Sua experiência ensinava que, numa carga, o atacante fica desbalanceado. Dorma salvou, graciosamente, pernas juntos, num arco sobre o ofensor, desembainhando a espada logo a seguir.*
- Venham, camaradas.
*Não se moveu, deixando a espada ao lado do corpo.*

Narrador
Mais dois mirmidões se juntaram a J'Raschir depois que o mesmo soltou um rugido de leve. Usavam variantes de lanças e cercavam Dorma dessa vez. Cada um um vindo atacar a campeã de cada lado. A luta realmente ganhava uma proporção desiquilibrada para que não era familiar sobre quem estava alí.

Charise Veillard
"Ai meu deus!" eram as palavras que a  dragoa mais repetia conforme a luta se desenrolava. Verdade seja dita, tinha ficado bastante animada com o primeiro movimento da comandante, mas agora, com a desvantagem numérica, começava a se desesperar.
- DONNA, CUIDADO!

Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
*Dorma contra o mais exaltado. Uma elfa abissal, raça caracterizada pela resistencia e força físicas capazes de suportar o mais profundo do oceano. Ela usou a espada para golepar as lanças, mantendo-se no meio, e afastando-as e quase as arrancando das mãos dos combatentes. Manteve a frente voltada para o exaltado.*

Narrador
J'Raschir de soltou mais um rugido de angústia por falhar tantas vezes e se lançou contra Dorna, usando da proximidade e para dar um agarrão e imobilizar a campeã com um abraço. Movimento conhecido pelas criaturas abissais para apanhar suas presas até que cansassem e pudesem ser devoradas.

Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
*No fundo do mar uma coisa era certa: Tudo era escorregadio. Dorma não era diferente, jogando o corpo para baixo ela deixou a placa peitoral que vestia no abraço do mirmidão, ficando apenas com a malha que tinha abaixo e a cobria. Assim que desce, golpeou para tras, na latura dos rins, com o cabo da espada e rolou lateralmente, colocando a lâmina a frente do corpo para proteção contra ataques.*
- Não devemos nunca hesitar em fazer o necessário, seja o que for!

Narrador
O segundo mirmidão lançou sua cauda serpentina para prender um dos pés da campeã. Eles não desistiam tão fácil assim. Enquanto o mais ousado ficasse levemente injuriado e paralizado pelos ataques da campeã, os outros nunca ficavam apenas asistindo. O terceiro por fim atacou Dorma novamente com sua própria armadura numa espécie de encontrão.

Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
*Girou o corpo, em um mortal para trás, saltando alto. Saindo do raio de ação deles. Não executava ataques, só se esquiva.*
- Charise, não precisa ficar temerosa. Num combate nem tudo é apenas ataque.

CONTINUA...
avatar
Joshua Stranford
Admin
Admin

Mensagens : 345
Data de inscrição : 16/01/2011
Localização : Uris

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os novos representantes de Atlan[Em Andamento]

Mensagem por Joshua Stranford em Seg 17 Fev 2014, 11:09

Objetivo: Levar Melantha para o Conselho de Atlan - Parte 2
Objetivo realizado? SIM
Personagens Participantes: O Conselho de Atlan e Joshua

Melantha, Representante de Atlan
A barda preferiu começar pela mesa, pois teoricamente era o mais recente e folhear os documentos que estavam por ali e ver se descobria algo interessante - seja sobre ninfas ou seu inimigo.


Narrador
A primeira coisa que a ninfa foi, foram vários desenhos semi-perfeitos a carvão. Um dos elfos nas primeiras paginas estava junto a uma succubus. Veria vários casais descomuns, geralmente de gente que acabou caindo nos encantos ou talvez uma paixão de verdade, mas o veredito nunca ia ser possivel encontrar. E conforme houve um fluxograma hereditário, começou a notar que eram de pessoas de sua terra natal. Não era pura, Melantha notava então que todos alí tinha algum sangue maldito, maculado, por algum motivo mas diluído. As palavras que o bardo disse no primeiro encontro de "chance de redenção" caíram como um tijolo. Achou o livro da cronologia da ilha nesse processo, mas muitas coisas estavam borradas, o tinteiro parecia ter caido no livro. Via que sua geração... era a terceira por causa da longevidade, mas muitos que eram humanos estaam em sua 6a ou 7a geração. A maldição que Zephyr um dia tinha contado era verdade. Melantha só então começou a entender também um pouco sobre seu pai, Daeron.

Dentre tantos casais, Melantha viu então um dragão de Prata no fim, alias dois, um bem mais velho onde havia um X enorme no desenho dele. O mais jovem por sua vez, estava intacto.


Melantha, Representante de Atlan
Melantha quis passar os dedos por cima dos desenhos mas não os fez por medo de borra-los. Era estranho ver tudo aquilo de repente e queria saber também a influencia dos dragões - já que ela tinha dmeorado tanto pra ver um. Procurou alguma observação junto aos desenhos.


Narrador
A escrita era bem rasurada. Tinha nome de algumas famílias, inclusive chegou a ver a imagem de Mekare bem mais nova. Viu o esboço do mapa da ilha, era bem menos trabalhada do que os primeiros colonos quando colocaram os pés lá, os exilados de suas terras. Viu alguns relatos e mesmo conseguiu achar de onde era... sua linhagem original, uma floresta bem afastada do Império ou de qualquer lugar que estivera até agora.


Melantha, Representante de Atlan
Bom, seria um livro para ela salvar de ser devorado por traças. E seria interessante ouvir da sua própria mãe sobre o tal... Tyranduir. Agora tinha que focar em achar algo sobr Belial... tinha que ter algo sobre seus pontos fracos.


Narrador
Melantha viu seis membros que foram desenhados enquanto no centro havia uma espécie de ovo que prendia Belial dentro. Via o símbolo dos Harpistas nele, e inclusive no fundo, os dois dragões de prata. E ela se relembrava bem que desses seis seres que aprisionaram Belial, um a um foi gradativamente morrendo, os últimos três eram aqueles que Melantha viu naquele castelo que o príncipe tentou abrir uma entrada grande o suficiente para ele. DE todos, só lhe sobrava mesmo o dragão mais jovem. E por mais que procurasse os outros livros, ou as traças haviam devorado as páginas ou simplesmente a tinta tinha se apagado com o tempo. Por estranho que fosse, a mesa era o único lugar que qualisquer coisas que tinham ficado nela, haviam se conservado por mais tempo


Melantha, Representante de Atlan
"Então... deve ser por isso que os dragões andam sumindo." pensou. Não gostava de ver o símbolo dos harpistas pelas desventuras que teve com eles. Caçou todos os cantos da mesa inclusive procurando por fundos falsos para ver se achava alguma coisa a mais.


Serviço de Limpeza
Alguns homens chegaram no escritório e o abriram.

- Hm? Não achei que fosse ver gente aqui... - Carregavam enormes caixas para jogar tudo fora.


Melantha, Representante de Atlan
A barda ergueu a cabeça assustada.

-Eu... estava interessada em saber mais sobre o lugar que foi devastado e sua história apagada... Sabe-se lá onde teriam outros registros. - relaxava. - Infelizmente parte do material foi consumido pelo tempo... - pegava os livros que continham informações que ela tinha considerava importantes.


Serviço de Limpeza
- O representante/porta-voz foi assassinado faz uns 5 anos... e não mandaram mais ninguém. É uma pena, era uma pessoa de boa índole. - Sorriu um dos rapazes da limpeza e começou a jogar os livros na caixa. O outro esperou que se enchesse e começou levar para baixo para serem queimados, por causa das pragas.


Melantha, Representante de Atlan
-Quando e onde ele foi assassinado? - perguntou curiosa segurando forte os livros que selecionara.


Serviço de Limpeza
- Em sua cabine dentro do navio quando estava para ir ver os novos recém chegados numa terra meio longe daqui. Ele estava feliz e ansioso para encontrar essa gente nova.


Melantha, Representante de Atlan
-... E prenderam os culpados?


Serviço de Limpeza
- Nunca foram achados.


Melantha, Representante de Atlan
A ruiva engoliu seco.

-Posso... ficar aqui enquanto desmontam? Caso tenha mais alguma coisa interessante para eu estudar. - deu um suspiro - Irão jogar tudo fora memso? Não tem como arquivar e fazer talvez um... museu de Astarta?


Serviço de Limpeza
- Astarta não pareceu dar mais sinal de querer fazer negociações de mercadoria, então recebemos a ordem de limpar tudo. E já que ninguém veio a cinco anos ou tentou nos contactar, vamos limpar tudo e dar espaço para gente nova.


Melantha, Representante de Atlan
-É claro que não deram mais sinais... foi devastada a anos. São poucos os que tiveram a sorte de sobreviverem. Quem está dominando aquele lugar morto não iria querer ter a intenção de fazer negociações. - se encostou na aprde para observar o lugar sendo desmontado. - Posso saber quem deu a ordem?


Serviço de Limpeza
- O Conselho. - Respondeu o outro. - Eles gostam de pensar bem sobre lucro e aqui faz cinco anos sem respostas. Eles esperaram um bocado. - Mais registros foram colocados na caixa e levados para fora. Tudo iria virar uma fogueira enorme.

A mesa foi revirada, suas gavetas esvaziadas. Existiam pequenos pertences, lembranças que eram característicos da civilização benigna de Astarta. Um passado que agora já não mais existia e trazia lembranças boas sobre o fato de ter ficado com Fil como estudante.


Melantha, Representante de Atlan
-Esperem! - disse indo atrás dos homens - Não tem como esperar a próxima reunião? Eu... soube que o regente de Uris virá e talvez... ele possa levar essas coisas para lá.

O coração da barda apertavatanto quanto suas mãos pressionavam os livros que carregava.


Serviço de Limpeza
- O que podemos fazer é levar tudo para seu quarto, passar um produto para que as traças não façam a festa e assim que ele chegar, vocês decidem o que querem fazer. Não temos nenhuma obrigação de manter, então pode ser dada aos mercantes que possam vender por alguma coisa. - Disse o que arrumava a mesa.


Caelle:
Caelle chegou algum tempo depois, e depois de horas, Melantha nunca havia aparecido como prometido e a mulher parecia levemente preocupada com os devaneios da ninfa.

- Me perdoe srta Melantha, mas foi difícil te achar. Seu... seu escritório está pronto. Pode se acomodar lá se decidir fazer isso de imediato


Melantha, Representante de Atlan
Antes que ela pudesse falar alguma coisa Caelle aparecia.

-Muito obrigada Caelle. Meus gentis senhores, poderiam levar então... as coisas de Astarta para meu escritório? Seria muito grata. - deu um sorriso gentil aos trabalhadores.


Serviço de Limpeza:
Os rapazes abriram os olhos, ou melhor, arregalaram os olhos.

- Ei... como assim? - Disse um dos meninos.


Caelle:
- Ela é a nova representante de Atlan pelo Império. Ela estará em contato direto com o Conselho. - Respondeu Caelle mostrando o pergaminho.


Serviço de Limpeza:
- Oh... - Disse um dos rapazes e meneou positivamente, se movendo com mais rapidez para levar as coisas para o escritório novo de Melantha.


Melantha, Representante de Atlan
Realmente a barda não estava acostumada com a formalidade e esperava que não tivesse causado uma má impressão. Se aproximou de Caelle e cochichou.

-Desculpas pela demora... é que eu achei esse lugar e... precisei descobrir o que tinha aqui dentro.


Caelle:
A guerreira olhou Melantha com seus olhos vidrados de sempre e depois fechou os olhos para apenas menear positivamente.

- Como desejar, srta Melantha. - Deu as costas para a representante e foi para a ala dos Imperiais.


Melantha, Representante de Atlan
A ruiva ficou para trás. Passou a mão livre pelo símbolo de Astarta que estava preso no lugar. Pensou que tinha superado, que como viveria viajando por ser barda, se acostumaria a ideia de não ter um lar. Naquele instante invejava todos que tinham um lugar para onde voltar. E achava que sua própria segurança ainda era comprometida, que as promessas de que estaria bem e segura no império eram falsas. Talvez... tenha sido bom Astraeus ter se afastado. Pois talvez - assim esperava - o alicórnio estaria mais seguro.

Começou a dar passos lentos na direção de onde se localizaria seu quarto, apertando os livros contra o peito.


Narrador:
O quarto era um lugar que ela nào tinha visitado ainda. Alias, não era um quarto qualquer, era um apartamento. Havia a sala, uma pequena cozinha com barris, um quarto grande para ela com um quarto de banho junto. Tinha outro quarto que normalmente seria de visitante, mas parecia que Caelle tinha se apoderado desse, embora o guarda-roupa, seu baú e sua mesa estivessem vazios quase. Quanto ao Quarto principal da ninfa, suas coisas estavam bem guardadas em seus respectivos lugares, a mala estava guardada acima do guarda-roupa.


Melantha, Representante de Atlan
A ruiva guardou a concha e os livros em seus pertences. Deu uma conferida no visual no espelho e foi lavar as mãos já que mexera em tanta coisa velha. Saiu do quarto trancando-o e indo atrás de Caelle para as duas almoçarem algo.

=//=

Narrador:
Passaram-se dois dias, e ouviu que Joshua estaria chegando para formalmente para apresentar Melantha aos Líderes. Havia pouco material do representante anterior, nada muito relevante. E assim, mais à tarde, Joshua finalmente bateu na porta do escritório da ninfa.


Melantha, Representante de Atlan
A ruiva se endireitou e foi atender a porta. Fez uma leve reverência formal.

-Seja bem-vindo senhor Joshua.


Joshua Stranford
- Quanta formalidade. Como tem andado? - Sorriu de leve e fez um cafuné na ruiva.


Melantha, Representante de Atlan
A ninfa pulou em cima logo após o cafuné, "escalando" as costas de Joshua.

- Estou entediada tentando me comportar como uma pessoa civilizada! E se não fosse minha curiosidade nata, vários documentos sobre Astarta iriam pro lixo!


Joshua Stranford
- Não sei quanto ao lixo, mas porque acha que te mandei pra cá? - Puxou ela das costas e a pendurou na parede. - Hoje vai ir conhecer os 5 cascavéis. Está pronta? - Tirou ela por fim, dando um abraço apertado de saudade.


Melantha, Representante de Atlan
Retribuiu o abraço apertando o máximo que pode - e provavelmente não teria feito nem cócegas no grandalhão.

-Infelizmente as traças comeram mais da metade do material... Bom... Depende o nível de veneno e o quanto terei que me comportar para saber se estou pronta ou não.


Joshua Stranford
- Veneno... para falar a verdade eu não gosto muito deles... Mas vamos começar de maneira formal. - Sorriu. - Eu sei que vai conseguir superar isso e conquistar as pessoas com rapidez. Tem facilidade de fazer amizade fácilmente. - DEu as costas para ela e foi saindo do lugar.


Melantha, Representante de Atlan
-Então vamos lá~ - sorriu e seguiu Joshua.


Joshua Stranford
Foi ao centro da ilha pequena com a ninfa. Era uma torre enorme onde algumas pessoas podiam entrar, se colocando numa plataforma. Joshua parecia ter conhecido já essa torre e tomou a frente, se colocando de pé e esperou a ninfa. As contrações engenhosas e mágica trabalharam de imediato assim que a ninfa entrou e desceram. Haviam alguns corredores de tubos de ar que Joshua poderia usar sem problemas. O general seus passos para ir em direção ao Palácio. - Lembra-se dos líderes que apresentei na nossa reunião com a Imperadora?


Melantha, Representante de Atlan
-Ah... um pouco. - não queria admirtir que ficou a maior tmepo prestando atenção no além do que nas palavras dele.


Joshua Stranford

- E quem são? - Parou de andar e encarou a ninfa.


Melantha, Representante de Atlan
A ruiva arregalou os olhos.

-Ahn... A sereia... a naga, o genasi, a elfa... - contava nos dedos, tentando se lembrar assustada das informações.


Joshua Stranford
- E os nomes deles? - Colocava as mãos na cintura.


Melantha, Representante de Atlan
-... A Cilvia... A Nee'ka... o String... Ferlius e... - fez uma pausa, como se procurasse algo, era a pronúncia - Vrashka?


Joshua Stranford
- Hmmm... e eles são representantes de onde? - Joshua aproximo o rosto da ninfa, encarando com seriedade.


Melantha, Representante de Atlan
-Eles não representam suas respectivas raças que habitam Atlan? - a ruiva sabia da importância das perguntas para não cometer nenhuma gafe boba. Nem para ela se passar de boba.


Joshua Stranford
- Existem duas exceções no Conselho, o resto veio de linhagem de sangue azul, quem são esses dois? - Arqueou a sobrancelha.


Melantha, Representante de Atlan
-O String... e... não sei. - fez cara de preocupada por não lembrar.


Joshua Stranford
- Cilvia, a Sereia... alias, gostaria que tentasse descobrir os antecedentes dela. - SE separou da ninfa e voltou a andar.


Melantha, Representante de Atlan
A ruiva deu um suspiro ao acabar o interrogatório.

-Ok~ Espero que ela não tenha preconceito contra criaturas lindas da superfície. - deu um sorriso.


Joshua Stranford
Joshua apenas se calou com esse comentário e apenas seguiu na frente.


Narrador
O palácio era enorme e Joshua se apresentou aos guardas. DEpois ele mostrou Melantha por causa de sua altua, tendo que ficar de lado de leve. Os mirmidões que carregavam ancoras como arma deixavam ambos passarem.

O salão do Conselho era circular em perfeita simetria com as cinco criaturas. O primeiro representante a ser visto era a rainha Naga. Ela e seus multiplos braços carregavam o ar mais intimidante que a ninfa jamais vira. Essa representante dava um olhar de poucos amigos e julgava a ninfa.

Os dois seguintes eram a elfa do mar e o príncipe tritão. Nee se quer parecia se importar com a ninfa, por mais que fossem de grau de parentesco mais próximo, já o tritão apoiava os braços e tinha o corpo levemente inclinado para frente, curiosa com a figura de Melantha.

Por fim, os dois que ficavam mais para trás, só possivel ser vistos uma vez que estavam no centro do salão. Strin e Cilvia, eram as figuras diferentes, mas descontraídos comparados aos outros três.


Melantha, Representante de Atlan
A ruiva manteve seus pensamentos apra si. Tinha um sorriso gentil no rosto e seu corpo demonstrava que estava se sentindo segura e nem um pouco intimidada. Se divertiu internamente com a postura de tritão, e é claro, achava que nee devia ser uma recalcada (hauhau foi inevitável). Ao ver a fura de Cilvia teve que tomar cuidado para seu olhar não demorar demais, pois era a primeira vez que via uma sereia - já que a mesma considerava as mesmas ninfas do mar.


Joshua Stranford
- Senhoras e Senhores, gostaria de primeiro, agradecer essa realização dessa reunião hoje. Sei que nós pecamos muito com a escolha do representante anterior, mas estes novos foram escolhidos por mim e pela Imperadora. Escolhemos os melhores e os mais raros. E para compensar nosso grave erro e ainda aceitarem continuar na Aliança Imperial, trouxe comigo alguns presentes que o Império cuidadosamente escolheu. Não é de poder bélico, mas trará grande vantagem para as navegações. - O dragão tirou uma espécie de bussola em uma tigela onde não importava o quanto balançasse, ele sempre ficava reto. Deixou o presente com um dos guardas que entregou à rainha Naga.

- Enfim, sem mais demoras, apresento hoje a Melantha, a nova representante de Atlan. - Ficou de lado e reverenciou a todos e indicou Melantha com uma das mãos.


Melantha, Representante de Atlan
Ao ser apresentada a ruiva aumentou o sorriso e fez uma reverência.

-Agradeço por me acolherem e me receberem aqui nesse lugar tão maravilhoso. - disse ao erguer a cabeça novamente.


Vrashka, a Rainha Naga
- Vais passar por todo um período de observação. Sua presença será necessária com cada um por uma semana pelo menos. Espero que tenha seja útil e saiba alguma magia para sobreviver de baixo da água. Se não, pode já se retirar. - Disse a Rainha.


Ferlius, o Príncipe Tritão
- Ora, dê a ela uma chance, eu prometo que cuidarei dela muito bem enquanto visitar os tritões. - Respondeu o tritão.

Strin e Nee ficaram quietos, enquanto a voz Melodiosa de Cilvia ressoou.


Cilvia, Regente Sereia
- Bem vinda, ignore essa vélha antiquada. - Foi a única a se inclinar para frente além de Ferlius. - Como ouviu, sou Cilvia e sou representante dos Merfolks. E... venha pra perto de mim! - Demandou apontando a pequena escada, assim Melantha poderia se aproximar e ficar perto da altura da sereia.


Melantha, Representante de Atlan
A ruiva ficara feliz pela reação do tritão - era sua primeira vitória. Depois era Cilvia. Concordou com a cabeça o pedido da sereia e subiu a escada, mantendo a suavidade e graça a cada passo.


Cilvia, Regente Sereia
Cilvia pegou na cara da ninfa e esticou a pele dela em várias direções e sentidos.

- Muito bem. Ela é real. Daremos uma chance a ela. Esta sessão poderá ser dispensada. - A sereia deixou a ninfa livre e sorriu de leve. Sua voz era melodiosa e encantadora, mesmo para a ninfa que gostava de cantar. Todos saíram em seguida, Ferlius ficando por um tempo ainda, e Cilvia, claro.


Ferlius, o Príncipe Tritão
- Mas ehhh? Que triste, eu também quero conhecer a nova representante melhor! - Resmungou o tritão príncipe.


Cilvia, Regente Sereia
- Volte para o seu povo, Ferlius. - Disse a sereia. - Quanto a você, tem bastante papelada para dar uma lida e aprovar ou reprovar no seu escritório. Mas trabalhe apenas no tempo útil, de noite podemos nadar até o abismo... tem como nadar para as profundezas, não? - Ela apoiou os dois braços no palanque. - Eu odeio esse ar seco dessa sala, a sala de audiência marinha fica abaixo daqui e não é seco! - Franziu o cenho e fez um bico.

Com a saída de Ferlius, Joshua deu um olhar de relance para a sereia e foi se retirando. - Estarei passeando um pouco pelos túneis de ar. Não sou um dragão negro que consegue respirar de baixo da água. Cuide-se Falmarin, e juizo. - Fez um cafuné na ruiva e saiu finalmente.


Melantha, Representante de Atlan
A ninfa levou as mãos no rosto logo depois de ser apertada, mas não reclamou de nada.

-Eu... tenho meus truques para ficar debaixo d'água. - deu um sorriso a Cilvia quando Joshua se retirou. - E mal posso esperar para conhecer tudo aqui. Gostaria muito de... ouvi-la cantar também. Quem sabe aprender uma música nova?


Cilvia, Regente Sereia
- Será que conseguiria? São músicas que até dragões se encantam.


Melantha, Representante de Atlan
-Cada vez fica mais interessante. - alargou o sorriso. - Espero ser digna de aprender suas canções.

Se apoiou perto da sereia, a olhando nos olhos. Esperava que ser uma criatura da superfície não a trapalhasse em nada.


avatar
Joshua Stranford
Admin
Admin

Mensagens : 345
Data de inscrição : 16/01/2011
Localização : Uris

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os novos representantes de Atlan[Em Andamento]

Mensagem por Joshua Stranford em Seg 17 Fev 2014, 15:21

Participantes: Charise, Melantha, Dorma, Cilvia, Ferlius, String

Narrador
[Todos] http://www.youtube.com/watch?v=WT9FQrW37jw&t=1m12s O rugido veio de longe, mas foi o suficiente para estremecer qualquer arquitetura, tanto para o campo aberto de treino que Dorma e Charise estavam, como o salão seco de reunião que Melantha e Cilvia estavam.

[Dorma e Charise] De onde vinha o rugido, havia vários pontos de iluminação, até parecia uma cidade à noite, mas esses pontos se aproximavam cada vez mais da Capital. O que é que fosse, parecendo uma colônia de fungos de uma caverna, agora crescia com a aproximação. Até então estando do nível do terreno em que o treino ocorria, essa colônia de luzes começava a emergir. Parecia ser uma cadeia de montanha que estava se formando à frente de Atlan, mas isso não era plausível, uma vez que qualquer contato de placa tectonica era muito longe dali. A montanha... derrubou uma larga formação rochosa de frente onde deu tempo para alguns da tropa de Atlan se desviarem. O monte então finalmente mostrou quatro globos de luzes perto da colônia, luzes azuladas que se focavam naquele campo de treino. Logo depois, uma outra fonte de luz se abriu, mais fraca porém maior, e novamente soltou o rugido.
http://img.gawkerassets.com/img/18sj9uowg6mg8jpg/ku-xlarge.jpg
http://www.youtube.com/watch?v=WT9FQrW37jw&t=1m12s
Aquele monte que desabou não eram rochas, era sua pata que usou para mover seu corpo. Sua próxima pata podia alcançar com facilidade para esmagar muitos soldados, mas não, ele não iria pisar, ele fez um arrastão com a sua outra pata. Foi só então que Charise, Dorma, e os outros soldados que não iam ser atingidos viram que a naga mirmidão que era a criatura mais alta, mais cumprida, não chegava a ser mais longo que um dos dedos da pata da monstruosa e colossal aberração.

[Melantha] Cilvia ficou alarmada. Ela puxou Melantha para si e para a água.
- Disse que tinha meios de respirar dentro, faça logo! - Reclamou a sereia, uma vez que a estrutura seca perdia sua estabilidade e água começava a preencher o local.


Charise Veillard
Infelizmente, tudo o que é bom dura pouco. É claro que estavam acontecendo lutas onde ela estava, mas apesar disso, eram apenas treinos amigáveis por um objetivo em comum; isso é, até aquele som se fazer ouvir. Na mesma hora a dragoa estremeceu pensando se não seria mais um tarrasque, porém ao invés de fugir como havia se acostumado a fazer, foi para perto da comandante, estralando os dedos das mãos e com um sorriso - E então, nós contra aquilo? Bela forma de começar o treino...


Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
*Não perdeu tempo em começar a dar ordens. Mesmo que estivesse alarmada com o tamanho da criatura que surgiu diretamente na costa da capital, e sem ter dado sinal algum de sua aproximação, Dorma também vinha de um reino onde criaturas cujo tamanho chegava a equivaler ao de ilhas inteiras. Seu treinamento militar também a tornou controlada em momentos de emêrgencia. Ela desembainhou a espada da cintura, desta vez golpeando com força incrivel as armas dos mirmidões (os ataques não pararam no ar) para repeli-los e começou a dar ordens.* - Todos vocês, armem-se e sigam com seus pelotões para a frente da criatura. Impeçam seu avanço o maior tempo possível.
*Não houve nenhum questionamento ou dúvida naquelas ordens. Dorma virou-se para Charisse, correndo na direção dela, puxando-a pelo braço.* - Venha, você vai me ajudar nisto. Vamos atacar a criatura pelos lados, você de um lado e eu do outro. Espero que tenha um bom tramanho quando transformada. Irei usar meu kraken e certamente isso vai ganhar um certo tempo até conseguir organizar as demais tropas. Mas vocÊ vai ter de segura-lo um pouco.
*Sabia que ela era um dragão, não imaginava o tamanho ou o tipo exatamente. Assim que segurou o braço dela, nadou vigorosamente para fora do domo e quando fez isso, emitiu um grito estridente que teve força para ressoar por todo o domo, para todas as tropas. Aquele era um grito de guerra, alertava para todas as tropas, em serviço ou não, se armassem e fossem para a costa.* - Vá para a superfície e me espere, vou precisar de equipamentos maiores.
*Dorma a soltou, mergulhando e nadando rapido para a escuridão abaixo delas.


Melantha, Representante de Atlan
A ruiva pensava que sua estadia seria calma e seu maior desafio seria adquirir a confiança do conselho mas estava enganada. Ver a estrutura desmoronar significa que seu trabalho por lá poderia demorar mais que o previsto.
-É pra já! - deu uma piscadela para a sereia.
Cantou para tomar a forma da mesma espécie de Cilvia. Ficara um tanto receosa caso ela não gostasse dela tomando tal forma e não fazer uma bolha de ar, mas a preocupação maior no momento era não morrer soterrada nem afogada.


Narrador
[Dorma e Charise] Mirmidões, genasis, elfos, e outros merfolks se alinharam de imediato com as ordens de Dorma. A tentativa de parar a criatura gigante não parecia suceder muito bem até que as tartarugas de guerra lançavam rochas. Foi o suficiente para chamar a atenção do bicho que se sentiu incomodado. Lagostas e Caranguejos gigantes se juntavam logo em seguida. Suas mãos-braçadeiras se pegavam na criatura, imobilizando o máximo que podiam junto a serpentes que se enrolavam. E mesmo assim, por causa de seu tamanho, a criatura simplesmente se soltava ao se movimentar. E ainda incomodada com as tartarugas, soltou um rugido e foi se aproximando para dar o primeiro pisão, esmagando uma tartaruga inteira com seu montador.
[Melantha] Cilvia continuou nadando bem rápido, chegando a ser difícil para Melantha acompanhar, se não fosse a mão dada, certamente teria perdido a sereia de vista naquela altura.
Assim que saíam da construção, finalmente podiam ver o campo de treinamento sendo atacado, a altura daquela aberração ultrapassando qualquer coisa que Melantha tivesse visto até então. E foi naquele momento que notou que uma das regentes com medo. Seu corpo tremia.
- Não... - falou a sereia bem baixo. - Era para estar dormente... - Estava paralizada de medo.


Charise Veillard
Apesar de internamente nervosa, ainda assim a dragoa assentiu com a cabeça para a comandante, lançando-lhe um daqueles típicos olhares de " porrada é comigo!"antes de se afastar para tomar sua forma natural. Logo, sua pele deu lugar às escamas azuladas, assim como seu corpo foicrescendo conforme a transformação ia se completando - Vamos lá, pessoal, vamoss chutar esse bicho daqui! - Mal terminou de falare se lançou para cima do bicho,a baforada sendo sua primeira intenção.


Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
*Dorma chegou a superfície montada em seu kraken, uma imensa lula ornamentada com placas de guerra e grandes ganchos de metal em seus dois grandes braços. A elfa do abismo estava de pé sobre a criatura, vestida com uma armadura de placas e com um tridente nas mãos, e observou a investida de Charise.* - O que falta de disciplina sobra de disposição. Eu gosto disso!
*Dorma ergueu o tridente para o céu e logo depois na direção da criatura. Logo atrás de dela, emergindo do mar lentamente, dezenas de tubarões enormes, e seus cavaleiros, outros elfos do abismo também usando tridentes, nadaram em direção a criatura, todos vindos por trás.* - AO COMBATE! Cortem as pernas deste monstro e façam o sangue dele mudar a cor do mar! Não fiquem em sua frente! Elfos do Abismo, fiquem seus tridentes na carne da criatura e usem suas montarias para arrasta-lo pro mar! Tragam-no para NOSSA MESA DE JANTAR!
*Os tubarões e seus cavaleiros dispararam, os elfos jogavam seus tridentes, dezenas deles, que possuiam grossas correntes amarradas a suas montarias. Assim que atingiam o alvo, os tubarões mergulhavam, davam meia volta, e começavam a puxar, as dezenas, cada um com não menos de 5 metros de tamanho. Outras tropas iam de encontro os membros inferiores da criatura, cortando, mordendo, visando desequilibra-lo. Dorma e esu kraken aproveitaram a distração que Charise provocou e atacaram pelo lado oposto. Os enormes tentáculos do kraken envolvendo e cravando as garras pelas costas e lado oposto ao que Charise estivesse atacando. Dorma corira, saltava e girava em meio aos tentáculos do kraken, cortando e perfurando com seu tridente.* - Por ATLAN! PELO IMPÉRIO! *Gritava, incentivando as tropas.*


Melantha, Representante de Atlan
Ao menos um pouco de sorte, Cilvia a estava ajudando. Problema que a reação da mesma ao ver a criatura que causava os tremores não era nada agradável. E realmente esperava que fosse algo fácil de resolver.
-O que... é isso?


Narrador
[Dorma e Charise] A baforada de Charise conseguiu deixar a criatura levemente distraída, focando agora na maior criatura próxima a ela, a dragoa marinha. Rugiu novamente e foi em direção dela. De perto, o monstro era muito maior.
Criatura do Abismo estava tendo várias distrações e o ataque de Dorma chamou sua atenção. Tombou a princípio por tentar pegar no Kraken, mas como defesa mesmo começou a atacar de volta contra tantas criaturas pequenas que o puxavam para o abismo. Ficou por alguns segundos entre o Kraken e Charise, mas acabou por ir morder a montaria de Dorma. Não parecia querer se render tão fácil assim, em todas as batalhas para qualquer Atlan, enfrentar criaturas gigantes geralmente desistiam após ganharem boas feridas.
[Melantha] Quem apareceu ao lado de Melantha e Cilvia era o príncipe Tritão. Seus olhos praticamente devoraram a ninfa, mas não fez nada, apenas falou algumas palavras suficientes para encorajar.
- Um belo canto de sereia seria encorajador e encantador ao mesmo tempo para a tropa. - Sorriu de leve enquanto os mirmidões da guarda real estavam a proteger os três.


Charise Veillard
O tamanho não a intimidou; talvez por causa da adrenalina ou quem sabe por seus instintos suicidas naturais. Rugiu mais uma vez como se desafiasse a criatura enquanto se movia atacando-a com as patas dianteiras ou até mesmo a cauda, mas por fim se viu obrigada a realmente voar em cima da coisa na tentativa de proteger o Kraken e, consequentemente, Dorma - Agora é com você... ! - Olhou rapidamente para a mulher, para então avançar, boca aberta, com os dentes rumo à cara ou garganta do bicho.


Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
*Os tubarões, deixados em paz, nadavam cada vez mais vigorosamente. E mais cavaleiros surgiam, cravando seus tridentes e puxando. Logo chegariam a muitas dezenas deles, uma força consideravel arrastando o ser para o fundo. O kraken, quando mordido, soltou totalmente da criatura, enrolando-se exclusivamente na cabeça do mesmo, oferecendo a própria carne. Em troca ele usaria seus tentáculos, e as grandes garras ali, para golpear os olhos da criatura, tentando cega-la, enquanto com o bico ósseo, grande e afiado, ele trocaria carícias com o monstro, contra sua face, pescoço ou onde estivesse a seu alcance.* - Em Atlan nós não temos problemas em ofertar nossa vida, monstro... Mas levaremos a sua como recompensa! *Dorma aproveitou a distração proporcionada para saltar, segurando o trindente com as duas mãos, e mirou o topo da cabeça do monstro, descendo o tridente com toda sua força, para finca-lo ali. Segurou-se na arma para não ser derrubada, e fez isso com apenas uma das mãos. A outra foi a cintura pegar sua espada.* - Vamos pendurar a cabeça dessa coisa em sua homoenagem!


Melantha, Representante de Atlan
A ruiva tentou não expressar nenhum sentimento negativo em seu rosto mas se perguntou internamente qual era o problema de todos os machos não saberem ser discretos.
-Posso não ser clériga, mas se for necessário posso ajudar curando alguns feridos se precisar.
Depois apertou a mão de Cilvia, já que a mesma tinha ficado em silêncio.
-Vamos? - deu um sorriso gentil para ela, esperando que a mesma cantasse junto. Cantar para motivar pessoas acabou sendo deixado de lado pela ninfa por um bom tempo já que mal andava em grupos.


Narrador
[Todos] A criatura ofereceu ainda uma boa briga, mas a medida que a água se manchava, a visibilidade caía. Pouco a pouco ia sendo arrastada para o abismo novamente. Seu tamanho e força davam baixas na tropa, mas o ataque de Charise foi o primeiro passo de dar um golpe letal. Desesperado, balançou seus braços com mais força, dificultando o arrastar. O ataque do Kraken certamente sufocava a aberração enquanto dava pouca estabilidade para Dorma. A arma perfurou a carcaça dura que obrigou a sacudir com violência, apenas por susto e instinto, mas cada segundo que passava após isso, seus movimentos se tornavam mais lentos.
As vozes das duas sereias em dueto faziam com que a aberração acabasse parando completamente. Não estava morta, mas já não mais reagia. Arrastar ela tornou-se algo fácil com a ajuda do resto da tropa. Demorou pouco para ela simplesmente ser jogada dentro daquela rachadura do abismo do mar. Uma coisa Melantha e Charise poderiam notar muito bem, a união que Atlan tinha era incomum, chegando a ter uma disciplina admirável.


Charise Veillard
Mesmo quando a força e a rapidez da criatura começaram a diminuir ainda assim Charise continuou mordendo-a com uma força já se tornando até desnecessária, embora parecesse não perceber ( ou quem sabe não se importar). Sua mente estava tão focada na batalha que por pouco não foi arrastada para as profundezas junto, largando a criatura no último minuto para então se aproximar de Dorma, no entanto, sem abandonar a forma draconica - ... Você está bem? Há mais algo que eu possa fazer?


Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
- VITORIAAAAAAAAAAAAAA!!!! *Não se deteve, usando a mão das espada também para cravar no pescoço da criatura, soltando o tridente e puxando a lamina com no entorno de seu pescoço... o Kraken mantinha-se firme... mas começavca a ceder... Assim que notaram a criatura perdendo força, os cavaleiros de tubarões soltaram as cordas... e todos eles se voltaram para a criatura, mordendo por todos os lados*


Melantha, Representante de Atlan
Melantha suspirou com alívio. Pelo susto de Cilvia pensou que teria uma tragédia bem pior no local e que ela teria que tomar a ofensiva (como até infelizmente estava se acostumando). Depois acabou se lembrando que nunca pedira ajuda para uma baleia. Seria legal chamar uma dona baleia para nadar por aí. Depois voltou para si. Ela tinha cantado com uma sereia~ isso era o máximo! Mas nada de expreessar muita empolgação. Pelo estrondo e a sala, os estragos na cidade deveriam ser imensos.
-Ainda devemos nos preocupar com a criatura?


4:55pm
Narrador
A criatura saciou vários dos tubarões da tropa. Seu corpo não mais passava de um fardo que teria o seu próprio tratamento no abismo. E junto a dorma, muitos outros soldados e criaturas gritaram, o grito da vitória mesmo em baixo da água, ecoou. Todos levantavam suas armas para cima de forma organizada, mesmo os feridos.
Melantha notava o quanto estava enferrujada por ter passado tanto tempo muda. A sereia ao seu lado tornava-se uma inspiração uma vez que sereias tinham a fama de terem as mais belas vozes. A sereia ainda mostrava seu medo, mas sua aflição parecia estar cedendo aos poucos.
O estrago era ainda grande embora seu avanço tivesse sido parado. Muitas criaturas agora eram carregados para o domo central onde recebiam o tratamento necessário, embora que no mar, apenas as feridas mais profundas eram tratadas. Vrashka, a rainha naga, ordenava o socorro imediato dos mais feridos pelas curandeiras nagas, diferente dos mirmidões, seus corpos eram esguios e eram compostosapenas por femeas.

- Acho que não... vamos dar auxílio para os feridos... - Disse Cilvia, indo na frente.


Charise Veillard
- E cadê a cabeça como homenagem? Não acredito que eles comeram tudo! - resmungou a mais nova, olhando para todos os lados. Era assim mesmo: acabada a batalha, ela novamente se tornava a mesma abusada de antes - Capitã, isso não é justo!!


Melantha, Representante de Atlan
A ninfa esperou que depois de ter visto a performance de Silvia conseguisse chegar no mesmo nivel - e em breve. Quem sabe ganhar o título da mais bela voz da superfície?
Concordou com a cabeça sobre ajudar os feridos e ajudou o máximo que pode com suas magias - e quando já não desse mais conta, iria para ajuda manual mesmo, trazendo medicamentos necessários.


Narrador
Charise não foi exceção, uma das nagas mirmidões que tinha um rank mais alto chiou o fato da dragoa não fazer nada.
- Ajude a mover todossss os feridosss! - Reclamou para a dragoa, pelo fato de falar daquela maneira, não parecia ligar que Charise era um dragão. Ele mesmo carregava uns quatro elfos em seu ombro.
Mais nagas se juntaram e usaram de suas curas, muitas vezes era apenas para aliviar as feridas graves. Melantha podia ver Joshua em uma dessas buscas por feridos, o general estava observando de tudo do domo central. Braços cruzados, apenas observava pela membrana que separava o ar da água.


Charise Veillard
- Sim senhora! - Respondeu na mesma hora, procurando os feridos que pudesse carregar sem piorar a situação, já que não sabia direito como agir e delicadeza definifivamente não era um dos seus fortes. Usava a cauda para levantar os que não tinham condições de escalar pras suas costas e depois disso procurava levá-los até as curandeiras, ao mesmo tempo em que também tentava se manter atenta. Njnca se sabe quando poderiam sofrer um segundo ataque, certo?


Melantha, Representante de Atlan
A ruiva acenou para Joshua quando o avistou, para ele ver que ela estava ali e estava bem. Depois continuou a ajudar as nagas para tratar os feridos.


Narrador
Quando a situação sossegou mais, Cilvia teve de deixar Melantha.
- Depois conversaremos de novo! - A sereia acenou enquanto passava por Strin, que mais lembrava um humano azulado. Diante de tantos ainda que arrumavam o local após o cobate, Strin chamava alguns e conversava em grupos. E finalmente o genasi da água chegou onde Charise e Melantha estavam, chamando as duas com um aceno assim que o viam - Difícil não notar uma critura mais 'humana' naquele lugar.


Charise Veillard
Mesmo no meio de tantas criaturas e enrolada até o pescoço por servir como " transporte ", foi impossível não perceber aquela criatura diferente... E ainda por cima, chamando? Oh não, isso não ia dar certo. - Só espero que não seja bronca! - Resmungou ao passar pela ninfa e mover a cabeça num cumprimento, já que só a tinha visto agora.


Melantha, Representante de Atlan
A ruiva concordou com a cabeça e depois quando pensou em descansar uns 5 minutinhos foi até onde Strin estava e viu uma dragoa a cumprimentando com a cabeça. Pra não contrariar, acenou também, não iria fazer desfeita.


Narrador
Strin aguardou pacientemente até que as duas ficassem juntas. Tinha sua calma excepcional de sempre e muitas vezes não compartilhada. Permaneceu de olhos fechados o tempo todo, só abrindo assim que as duas se juntavam.
- Ouvi de Dorma e Cilvia, e claro, dos outros. Há tempos criaturas desse tamanho não atacam Atlan. Mas vejo que Dorma soube treinar bem a tropa, mas sem vocês duas, teria sido bem mais difícil. Primeiro de tudo, gostaria de agradecer pela contribuição de hoje. Poucos representantes de aliados fariam isso, confesso. - Strin permaneceu sério o tempo todo. - Sei que representam o Império, mas ainda não decorei vossos nomes, podem se apresentar por favor?


Charise Veillard
Olha, ela estava enganada! O chamado era para um... Agradecimento? Nossa, há quanto tempo não ouvia algo assim...? - Nah, não foi nada, eu sentia falta de ação e foi um bom treino - Disse toda orgulhosa de sua performace por mais absurda que tenha sido e logo voltou à forma humana, dando um sorriso travesso - Sou Charise Veillard, novata, não me importo com formalidades e... Quem é você mesmo?


Melantha, Representante de Atlan
Ao ouvir a dragoa falando seu nome finalmente pode entender o porque a mesma a cumprimentou. Pelo menos tinha prestado atenção no nome dela.
-Acredito que não fizemos nada mais que o necessário... - sorriu gentilmente - Sou Melantha.


Dorma, Campeã e Comandante de Atlan
*A elfa do abismo demorou a voltar até as tropas, ou onde Charise e Melantha estavam. Ao lado do corpo destroçado, ela velava pelos últimos momentos de sua montaria. Seu kraken fora muito ferido, e pela sua amazona, havia jogado a vida fora. Era uma criatura inteligente, ambos se comunicavam por um elo forjado ainda quando ambos eram jovens e que se manteve por mais de 350 anos. A grande criatura boiava na água, ainda firmemente agarrada aos pedaços do monstro abatido. Dorma estava no mar, próximo a um dos olhos da criatura, alisando sua cabeça devagar.* - Era o combate de sua vida... descanse. Nos encontraremos, um dia, nas profundesas. Até lá zele por mim na escuridão. Nos encontramos no oceano infinito, meu irmão. Não te preocupes, tua prole é minha prole, estarão seguros, do meu nome a essa promessa, e um dia terei um dos seus filhos como meu companheiro de batalha.
*Mais alguns minutos se passaram até que o enorme animal cessou os movimentos e seu olho tornou-se estático. Vários mirmidões estavam logo atrás de Dorma e, sem olha-los, ela deu ordens.* - Terminem de levar os feridos para tratamento. Ao final, vocês levarão meu companheiro até a entrada das Profundesas Abissais. Me aguardem lá e o mantenham a salvo. Ele será sepultado com as honras que viveu, em nosso lar, a capital elfica das Profundesas Abissais...
*Todos dispersaram e Dorma seguiu até onde os demais estavam concentrados. Tinha o tridente preso as costas e a espada a cintura. Mesmo com a vitória não parecia nada feliz. Estava séria e sua voz seca.* - Parabéns a todos... foi um esforço tremendo, mas a criatura morreu. As perdas são... pesadas, mas prevalecemos. *Foi até Charise, e cumprimentou-a com um forte aperto de mão.* - A bravura surge quando é necessária. Um treino não requer bravura, coragem. Fazer isto? Isso sim, requer muita coragem... Se o conselho tinha dúvidas quanto a admissão destas duas mulheres, espero que isso não deixe mais resquicio de dúvidas.
*Voltou-se para o mar, quando viu seu kraken começar a ser levado para as profundesas. Suspirou e virou-se novamente.* - General peço permissão para levar meu irmão-de-armas, meu kraken, para seu local de descanso final, na capital dos elfos do abismo, nosso lar. Isso me fará ausentar por quatro dias, pois esta é a profundidade em que vivemos...


Narrador
- Muito bem, comandante, faça isso. Estarei observando as duas, tanto em seu treino - olhou Charise -, como no conselho. - olhou depois para Melantha. - Teremos muitascoisas a se resolver na sua ausência mas poderemos segurar as pontas. - Fechou os olhos e deixou Dorma se retirar ao bater continencia.

avatar
Joshua Stranford
Admin
Admin

Mensagens : 345
Data de inscrição : 16/01/2011
Localização : Uris

Voltar ao Topo Ir em baixo

Condecoração

Mensagem por Joshua Stranford em Dom 16 Mar 2014, 21:17

Objetivo do Jogo: Condecorar Melantha e Charise
Jogo encerrado: SIM - ambas são parte de Atlan de espírito e corpo


[MELANTHA]
Narrador
Alguns dias se passaram e finalmente Strin convocou Melantha para o hall da reunião, mas não era aquela audiência onde haviam bolhas de ar, não, esse local era completamente cheio de água. Pareciam que tinham se acostumado com a idéia de que ela podia viver bem em baixo da água, podendo se virar sem problemas.
A audiência, no fim, era aguardado por todos os representantes.


Melantha, Representante de Atlan
A ninfa realmente não se incomodava em mudar de forma para ir as reuniões. Até porque a convidada era ela. Se planejava para chegar com antecedencia, mesmo não sendo a maior fã de ficar esperando algo.


Narrador
A audiência foi dada no horario marcado. Com a entrada da ninfa, Cilvia e Ferlius pareciam mais contentes com a presença, até mesmo Strin mostrou-se menos frio.


Strin, Líder dos Genasis da Água
- Como discutido antes, decidimos finalmente a lhe dar a chance de se tornar uma de nós. Podes mudar de identidade como desejar como pode também ficar com um apelido neste processo. Por escolher a forma como o povo de Merfolk sob Cilvia e Ferlius, pensamos em lhe dar o título de Canção da Água, claro, embora seja apenas opcional, são sugestões vindos de Cilvia e Ferlius.


Melantha, Representante de Atlan
A ruiva deu um osrriso, tinha conseguido ser aceita, assim poderia desfrutar de mais um lugar sem problemas. Mas infelizmente o nome que lhe deram... lembrava aquele bardo que não sabia se ele seria aliado ou inimigo no próximo encontro.
-Agradeço muitíssimo pela confiança depositada em mm. Mas Canção da Água...já tem um bardo da superfície que é conhecido por este nome.


Strin, Líder dos Genasis da Água
- É... e está morto. Este título já está sem dono. E sua voz jamais será tão bela quanto dentro da água. A água... como pode ver, ela é flexível e calma. Mas ela pode claramente se tornar algo violento quando provocado, capaz de destruir o mais forte mineral, apagar o fogo mais intenso. E por isso Strin decidiu hoje que merece estar entre nós.


Cilvia, Líder das Sereias
- Foi uma decisão do conselho... - deixava no ar a importância do conselho. A rainha naga parecia quieta e observava com calma a reação da ninfa. MElantha pode notar levemente o olhar da sereia se dirigindo para a elfa e a rainha naga como se fosse alguma espécie de sinal.


Melantha, Representante de Atlan
Morto... Nem ela tinha certeza, aquilo era mais uma assombração que viva ressurgindo. Será que se ele fosse realmente aliado, se importaria dela usando um dos seus títulos? Bom... era melhor do que ficar usando seu nome para chamar atenção de inimigos. Só o olhar da sereia a incomodou um pouco pois não sabia o que iria acontecer.
-Então... irei aceitar e honrar esse título. - abriu mais o sorriso.


Strin, Líder dos Genasis da Água
Strin arqueou a sobrancelha por alguns segundos ao ver Cilvia agir daquele modo, mas ignorou por completo, fechando os olhos por um tempo até voltar-se à ninfa e dar a palavra de novo.
- Muito bem, Melantha... Estás a fazer parte de Atlan por completo agora. Terá direito a um residência aqui em baixo, junto a todos e também terá a benção do elemento da água.
Strin saiu de trás de sua mesa e nadou até a ninfa onde laçou sobre ela, correntes de águas que se prenderam às guelras da ninfa e circularam pela 'respiração'. Melantha sentia-se diferente, uma facilidade maior em lidar com a água, uma calma inigualável, uma paz e serenidade a um nível que ela nunca tinha conhecido antes. Sentia seu corpo ter um metabolismo mais concentrado à cura onde aquela rouca voz ia se restaurando com mais rapidez. Sequelas que o tempo deixaram como cicatrizes desapareciam por completo. E acima de tudo, sentia-se leve mais do que nunca dentro da água.


Melantha, Representante de Atlan
A ruiva silenciosamente is sentindo as mudanças, achando elas incríveis. Queria guardar os detalhes para contar a sua mãe depois. Será que ela já passara por algo parecido? Acabou ficando imóvel esperando para ver se mais alguma coisa iria acontecer - seja com ela ou os outros.


Strin, Líder dos Genasis da Água
- Agora tens uma parte de Atlan. - Disse Strin ao se afastar. - Seja bem vinda. - Este último foi acompanhada pela voz de Ferlius, Cilvia e estranhamente por Vrashka.


Melantha, Representante de Atlan
A ninfa fez uma leve reverência em forma de agradecimento enquanto internamente estava se sentindo incrível por ter conseguido uns pontos com uma criatura difícil. Sabia que teria uma chance quase nula de simpatia com a elfa mas não iria desistir tão cedo - e talvez nem valesse a pena.


Strin, Líder dos Genasis da Água
Voltando à mesa, o Genasi olhou para os outros representantes e então deu seu pronunciamento final.
- Considero esta reunião terminada.

Cilvia, Líder das Líder das Sereias
Todos se retiraram de seus postos, Cilvia foi primeira a nadar com tudo até a ninfa e a abraçar. - Pronto para devorar alguns marujos encantados? - riu brincando.


Melantha, Representante de Atlan
Melantha retribuiu o abraço e deu uma risada sobre a brincadeira.
-Só se tiver carne de primeira. - depois abaixou o tom e falou baixinho - Então... eu ainda estou aprendendo a cultura de Atlan e costumes e... espero que possa me ajudar para eu evitar de fazer alguma gafe.






[CHARISE]
Narrador
Passaram-se alguns dias, e dessa vez Charise foi convocada nada mais nada menos que o membro de rank mais alto de toda a Atlan, Strin, o líder dos Genasis, conhecido como o mais próximo do elemental da água. Era no campo aberto de treinamento que Charise tinha visto Dorma


Charise Veillard
Se antes já tinha ficado nervosa por conhecer a Comandante, agora podia-se dizer que a dragoa estava quase tendo um ataque histérico, apesar desse comportamento com certeza não ser nem um pouco apropriado. Passara o pouco tempo que teve sozinha andando de um lado para o outro, tentando ensaiar algo para falar e até tinha feito um discurso legal, mas agora, conforme andava rumo ao encontro, sua mente tinha ficado completamente em branco.
- Ótimo, Charise, como você é idiota... - Murmurou consigo mesma e baixou os olhos antes de reverenciar o grande líder, bastante sem graça por tamanha imbecilidade.


Strin, Líder dos Genasis da Água
- Todos os seres aqui de Atlan compartilham a sua alma, a sua tenacidade, sua sabedoria, sua sinceridade e sua calma. - Strin era do tipo bem sério. - Mesmo aqueles que não possuem, ganham um pouco ao receber isso. - Era estranho ver várias correntes de agua rodearem a ponta dos dedos de Strin, e ver água dentro de água. - Todos fazem parte de um único todo.... E por causa de tua ajuda, estamos te condecorando. Primeiro, por causa de sua força, será uma capitã em tempo probatório. Se reportará a mim diretamente, o general. Segundo, estará recebendo parte desse grande todo... - E assim que Charise liberasse, Strin deixaria essa pequena água ir em direção de Charise para que a envolvesse em correntes de água até que elas fossem incorporadas pelo sistema de respiração da dragoa.


Charise Veillard
Ouviu as palavras do mestre com bastante calma e ainda curvada, tentando parecer séria quando, na verdade, sua mente demorava quase dez minutos pra assimilar cada frase que Strin dizia. Não só porque era lerda, fato, mas também por ser idiota o suficiente para prestar mais atenção - discretamente, é claro - nas correntes rodeando os dedos dele dentro da própria água do que propriamente na conversa. No entanto, uma coisa se destacou em seu cérebro do tamanho de ervilha: A palavra "Capitã". Oh, oh. Era isso mesmo?
- Euuu.... Capitã...? - Levantou-se meio hesitante, piscando algumas vezes até abrir a boca novamente - EU NÃO ACREDITO! ISSO É SÉRIO! AIMEUDEUS QUE FELICIDADE! - Começou a tagarelar feito uma maluca, dando alguns pulinhos animados no lugar. Típico de crianças...


Strin, Líder dos Genasis da Água
- Existem outros capitães, mas apenas um comandante, Dorma se retirou, então estará trabalhando em conjunto com esses capitães. Não se esqueça que se reporta a mim diretamente, evite conflito com as naus de Atlan, eles possuem um partido diferente. E mais alguma duvida? - Dizia com calma só depois dela se aquietar um pouco.


Charise Veillard, Capitã de Atlan
Demorou um pouco pra que Charise parasse de surtar e comemorar, mas quando o fez, imediatamente ficou vermelha, tratando de pigarrear para disfarçar o constrangimento ao mesmo tempo em que colocava uma mecha de cabelo atrás da orelha, desviando o olhar para o outro lado. - Desculpe, eu não consigo me conter... - Deu um risinho sem graça e voltou à expressão séria, ou quase séria - Uhn... Todas as decisões são feitas em conjunto? Digo, quando tem problemas os capitães fazem reuniões? Devem fazer, não é? É sério, eu não quero segurar nenhuma bomba sozinha!


Strin, Líder dos Genasis da Água
- Exatamente, reuniões, e comigo, para discutirmos desde a estratégia, até o modo de batalha, direto, flanqueado ou furtivo. - Sorriu de leve pela atitude feliz da dragoa.


Charise Veillard, Capitã de Atlan
- Ah... Isso eu imaginei... Digo, as estratégias sendo com você... Afinal, você é o líder! - Fez um bico ligeiro e cruzou os braços, desfazendo a postura respeitosa que tentava manter até então - Eu sou burra, mas nem tanto! - Mentira, mas ninguém precisava saber, certo? Terminando suas conclusões, olhou mais uma vez nos olhos do Genasi e sorriu torto - Ah, mais uma coisa! Como eu posso te chamar?


Strin, Líder dos Genasis da Água
- Me chame de Strin. Não há necessidade de me aderessar pelo título. - Reverenciou a garota humildemente. - Nos conversaremos em breve, teremos missões para ti assim que conseguirmos nos organizar com a ausência de Dorma. Até lá... preferes ter residência aqui em baixo?


Charise Veillard, Capitã de Atlan
- E-Ei! Não faça esse tipo de coisa... - Resmungou pela reverência, coçando a cabeça e olhando para os lados a fim de ver se ninguém tinha visto aquele gesto, afinal vai que alguém inventa que ela estava abusando da boa vontade do líder e - E-Eu... Aqui em baixo seria melhor, eu gosto de água... Quer dizer, pelos céus, eu sou uma dragoa marinha, óbvio que gosto de água, né... - Fez um gesto de descaso com a mão e depois suspirou - Entããão, como eu estava dizendo, aqui seria melhor... Se eu morar aqui tem como visitar a cidade sem problemas, não tem?


Strin, Líder dos Genasis da Água
Na verdade muitos estavam observando Charise, mas ficava no ar se era por admiração ou inveja. - A ilha da superfície não passa de mercado, aqui em baixo está toda a cidade. - Manteve o sorriso. - Enfim, providenciarei que tenha seu quarto no quartel que ficará tomando conta.


Charise Veillard, Capitã de Atlan
-... Certo... Posso ir agora, chefia? - Sorriu mais uma vez, com aquela expressão sem jeito que chegava até a ser infantil.


Strin, Líder dos Genasis da Água
- Sem títulos. - A olhou com calma e depois meneou positivamente.


Charise Veillard, Capitã de Atlan
-... Certo, certo... Desculpe, STRIN. Melhor assim? Melhor, não é? Até mais então ~ - Bufou por um momento, mas logo seu semblante emburrado deu lugar a um sorriso besta e ela logo virou as costas, saltitando feito uma idiota enquanto comemorava seu título recém-conquistado, gritando coisas aleatórias.

[FIM]
avatar
Joshua Stranford
Admin
Admin

Mensagens : 345
Data de inscrição : 16/01/2011
Localização : Uris

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os novos representantes de Atlan[Em Andamento]

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum